Mercado
Dolar: R$ 2,33  (+100,00%)
Euro: R$ 3,02  (+100,00%)
Dow Jones Nasdaq Ibovespa
+100,00% +100,00% +100,00%

Buscar em
Agência AutoData
Imprimir | Aumentar Fonte | Diminuir Fonte | Enviar
Lançamento 04/11/2008 20:14
Décio Costa, de Buenos Aires, Argentina

Volvo FM 370 busca especialização


Com capacidade de produção recuperada, depois das dificuldades pelas quais passou durante o ano passado na entrega de caminhões por conta dos atrasos no fornecimento de componentes de câmbio, a fábrica da Volvo de Curitiba, PR, ganhou condições para incorporar mais um modelo na linha: caminhão da família FM equipado com motor de 11 litros que desenvolve 370 cavalos, nicho de potência em que a fabricante ainda não atuava no País.

De acordo com Sérgio Gomes, gerente de planejamento estratégico da empresa, a novidade terá como missão atender necessidade de transporte de até 50 toneladas de peso bruto total combinado, atrelado a semi-reboque de três eixos, espaçados ou não. O lançamento pretende estar alinhado com a crescente busca de especialização de mercado de carga: “Além de complementar a linha de veículos Volvo, enxergamos na nova oferta uma tendência do segmento, já que o caminhão é apto para atender diversas aplicações rodoviárias”.

O foco inicial da Volvo para o FM 370 são os mercados brasileiro e Argentino. Por aqui espera vender em torno de 80 unidades ainda este ano e outras 1 mil até o fim de 2009. O lançamento custou à fabricante dois anos de desenvolvimento e US$ 25 milhões.

Com o novo produto a fabricante de Curitiba espera conquistar 25% do mercado de caminhões com motores na faixa de 340 a 370 cavalos, segmento que no mercado total de caminhões também representa 25%. Para isso a companhia preparou alguns diferenciais como argumento de vendas. O primeiro enchimento do motor passou a ser com óleo sintético, que pode adiar a primeira troca de 10 mil quilômetros para 30 mil, e lubrificante inédito na caixa do eixo motriz que amplia sua primeira substituição para 400 mil quilômetros, a depender do tipo de aplicação e distância percorrida. Antes essa intervenção ocorria dos 100 mil aos 150 mil quilômetros. De acordo com Luís Carlos Pimenta, gerente de pós-venda da Volvo para a América Latina: “Com planejamento adequado é possível obter redução de até 14% no custo de manutenção preventiva apenas com óleo e filtros, além de deixar o caminhão por menos tempo parado”.

O caminhão tem metas bem definidas. É oferecido a partir de configurações 4x2 ou 6x2 com foco no custo operacional e na logística do seu cliente. Segundo a fabricante o veículo foi pensado para atender exigências na transferência de carga por rodovias asfaltadas, com topografia mista, quilometragem mensal por volta de 12 mil quilômetros e elevada velocidade média. A empresa espera atrair transportadores dos setores de bens de consumo, distribuição de combustível e autopeças, segmentos que atuam com implementos do tipo baú, sider ou tanque.

A fim de entregar a composição mais adequada a Volvo proporciona amplas possibilidades de montagem do modelo, como variação de distâncias entreeixos, até três relações de redução no diferencial, molas parabólicas ou semi-elípticas e opcionais como freio ABS, controle de tração e caixa de transmissão automatizada.
Voltar

 

AutoData, TranspoData, CEA, Seminários, Eventos Empresariais, Prêmio AutoData, Setor Automotivo, Editora, Revistas, Documentos, Agência de Notícias, WebTV, Gestão, Revista Automotiva, Setor Automotivo Brasileiro, Setor Automotivo Mundial, Guia de Caminhões, Guia de Ônibus, Guia de Veículos Comerciais Leves, Brazil Automotive Guide, Multimídia, Guia do Setor Automotivo Brasileiro, Setor Automotivo Latino Americano, Feiras do Setor Automotivo, Perspectivas do Setor Automotivo Brasileiro, Compras Automotivas, Revisão das Perspectivas do Setor Automotivo Brasileiro, Lançamentos de Veículos, Conjuntura do Setor Automotivo Brasileiro, Notícias sobre Empresas de Autopeças, Perspectivas do Setor de Autopeças, Evolução Tecnológica do Setor Automotivo, Desenvolvimento do Setor Automotivo Brasileiro, Mercado Brasileiro de Veículos, Mercado Brasileiro de Ônibus, Mercado Brasileiro de Caminhões, Tecnologia Automotiva, Montadoras Brasileiras, Montadoras instaladas no Brasil, Fábricas de Veículos, Fábricas de Caminhões, Fábricas de Motocicletas, Fábricas de Ônibus, Encarroçadoras de Ônibus, Encarroçadoras de Caminhões, Automóveis, Caminhões, Ônibus, Carroçarias, Pneus, Sistemistas, Montadoras, Autopeças, Anfavea, Sindipeças, Fenabrave, Abimaq, Abraciclo, Motocicletas, Volkswagen, General Motors, Fiat, Ford, Mercedes, Volvo, Scania, Iveco, MAN, PSA, Renault, Peugeot, Honda, Toyota, Nissan, Citroën, Agrale, Marcopolo, Randon, Neobus, Keko, Caio