Agência AutoData de Notícias


Incentivo -
Raquel Secco

Caminhões entram no programa Mais Alimentos

Array ( [last_activity] => 1427489539 [user_agent] => CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/) [session_id] => qrdnjno3qs1pn1sibi5ik2nrh3 [B64KEY] => 6a6b80a0cbef73fa4c9a61f943d10986 ) 1

A ampliação da linha de crédito do programa federal Mais Alimentos, para a compra de veículos de transporte de carga por agricultores familiares, promete ampliar a venda de caminhões leves e semileves no primeiro semestre deste ano. Segundo Silvan Poloni, gerente de vendas da Agrale, a proposta e as condições do primeiro pacote valem até 30 de junho e “devem ser renovadas com algumas alterações”.

A projeção do governo e das empresas fabricantes é a de que sejam comercializados 3 mil caminhões este ano via o Mais Alimentos, cerca de 9% dos 35 mil caminhões leves e semileves comercializados no ano passado.

Com dois modelos que atendem às especificações do programa a Agrale planeja comercializar oitenta unidades até junho.

Mais otimista o diretor comercial da Iveco, Alcides Cavalcante, calcula ampliar suas vendas de duzentas a trezentas unidades nestes seis meses.

Ricardo Alouche, diretor de vendas, marketing e pós-venda da MAN Latin America, aposta no incremento inicial de trinta a cinquenta unidades/mês, “com elevação gradativa nos meses subsequentes”.

Sem especificar volumes a Ford, por meio de sua assessoria de imprensa, também acredita na ampliação de suas vendas.

Condições – Participam do programa quinze modelos de veículos comerciais de 1,5 toneladas a 8 toneladas e com preço de até R$ 100 mil. O financiamento é de dez anos, com três de carência, e taxa de juros de 2% ao ano. Outro benefício é a concessão de descontos de 5% a 15% para os quinze modelos.

Segundo informações do Ministério do Desenvolvimento Agrário os descontos são validos para o chassi do caminhão, e o financiamento é estendido para a compra da carroçaria escolhida.


Em parceria com a companhia de cosméticos Mary Kay, montadora personaliza veículos
De 4,5% e 6% ao ano válidos até agora para 7,5% e 9% a.a.
Carlos Santiago responderá pela área produtiva das unidades de São Bernardo do Campo, SP, e Juiz de Fora, MG
Lei foi publicada no Diário Oficial da União da quinta-feira, 26, e entra em vigor em sessenta dias
Investimento faz parte de plano de modernização da fábrica de São Bernardo do Campo
Para ministro, mudança no índice financiado não prejudicaria pacto fiscal