Agência AutoData de Notícias


Investimento -
Roberto Hunoff, de Caxias do Sul, RS

Vipal terá fábrica de pneus em Guaíba

Array ( [last_activity] => 1490596375 [user_agent] => CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/) [session_id] => q4f7iltj0ghudmikjvdc9i1ei1 [B64KEY] => 7574fe4e9b5743e40f282a23ae76e7f3 ) 1

A Borrachas Vipal, de Nova Prata, RS, anunciou nesta segunda-feira, 29, a construção de fábrica de pneus para máquinas agrícolas e para o mercado de reposição de automóveis. O investimento de US$ 200 milhões representa o ingresso da empresa em novo nicho de mercado, pois seu negócio sempre foi a linha de reparos para pneus. A empresa ocupará parte de terreno de 970 hectares em Guaíba, RS, inicialmente destinado à Ford no final dos anos 90.

Outras cinco empresas, de diversos setores, também anunciaram presença industrial em Guaíba, num total de R$ 850 milhões de investimentos e de geração de 2,3 mil empregos diretos.

De acordo com o presidente da Vipal, João Carlos Paludo, pretende-se contratar novecentas pessoas. O início da construção da planta de 70 mil m2 está, agora, na dependência da liberação pelos órgãos ambientais. A estimativa é a de que a produção inicial seja de 7 mil pneus/dia.

O investimento está em linha com a recente aquisição, por parte da Vipal, de 15% do controle acionário da fabricante de pneus argentina Fate. Por meio de sua rede de distribuição a empresa gaúcha comercializará a marca argentina em todo o Brasil.

Também a Terex, fabricante de equipamentos rodantes para construção pesada e de estradas, investirá em Guaíba. Serão R$ 150 milhões e quinhentos novos empregos anunciados. A intenção é iniciar a produção em quinze meses.

Outras quatro empresas, de diferentes setores, confirmaram aportes em Guaíba, totalizando R$ 700 milhões e a geração de 1,8 mil empregos e outros 5 mil indiretos. Da lista não consta a fábrica de caminhões NC2, resultado de joint venture de Navistar com Caterpillar, que ainda negocia sua localização: Paraná, São Paulo e Santa Catarina também disputam a planta.

A área destinada à Ford no passado foi transformada agora em distrito industrial. Nesta etapa inicial serão ocupados 357 hectares. Restaram mais 200 para novos investimentos. A Toyota mantém lá, há cinco anos, um centro de distribuição de veículos.


Punição poderia ser maior se órgão considerasse decreto do Conama. Empresa tem até 20 dias para recorrer.
Grupo encerrou o ano passado com perdas de R$ 67 milhões, a segunda consecutiva
Com mais conforto os modelos médios, pesados e extrapesados ajudarão na manutenção da liderança da empresa a partir deste mês
Apesar de sinais macroeconômicos positivos, consumidor ainda está receoso e não vai às compras. Na outra ponta, as empresas aguardam a volta do consumo para investir.
Melhora do cenário ainda não animou o segmento de transportes
Especialistas falam com exclusividade a AutoData sobre os reflexos da lei no curto e médio prazos: virtudes e desvantagens.