Agência AutoData de Notícias


Apresentação -
Vicente Alessi, filho

Temporada de caça aberta ao Range Rover Velar

Array ( [last_activity] => 1496134945 [user_agent] => CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/) [session_id] => p91guqutu040aigd9ll3865so0 [B64KEY] => ab32aa0b1dec8cc8e871bc5943faf189 ) 1

O presidente Frédéric Drouin considerou-o o premium nec plus ultra da companhia nesses tempos contemporâneos, juntando no mesmo ser – o SUV Range Rover Velar – tecnologia e design. Poderia ser um lugar comum mas o bicho é bonitão e esconde lá os seus segredos, disponíveis para estróinas com R$ 383,1 mil a R$ 513,9 mil disponíveis para esbanjar – ou para garantir seus sonhos e pecados.

Já foi visto em Genebra, Suíça, e em Nova York, arrancando ais da torcida. E será lançado no mercado global até julho.

No fim da manhã da terça-feira, 16, em São Paulo, a Jaguar Land Rover escolheu o restaurante MIS, acoplado ao Museu da Imagem e do Som, para reunir a imprensa especializada e informar que o Velar certamente estará disponível nas suas concessionárias brasileiras a partir da terça-feira, 31 de outubro. Mas que os interessados já podem efetuar suas reservas e montar seu novo SUV no site da companhia, www.landrover.com.br, de acordo com suas escolhas e configurações: chegará em seis meses, pouco mais, pouco menos, exatamente ao gosto do freguês.

Ou seja: como lembrou o presidente Drouin o modelo Velar é totalmente configurável, com o preço de uma versão padrão sendo inflado de acordo com as escolhas do cliente: acabamentos internos e externos, pacotes de tecnologia e de conforto, aros das rodas, teto solar – tudo isso para “estabelecer novos níveis de refinamento, elegância e tecnologia”, como garante o texto do comunicado distribuído à imprensa.

Em outras palavras: “É a reunião do design arrojado com a tecnologia mais o novo sistema de entretenimento Jaguar Land Rover”.

Faz sentido anunciar os preços quase seis meses antes do lançamento oficial? Drouin, sempre otimista, exemplificou com a temporada de relativa estabilidade econômica que o País vive: “Realmente não vemos que corremos grandes riscos cambiais”.

Ele também não percebe grandes riscos que a chegada do Velar pode trazer à guisa de vendas canibalizadas: ele acredita que esse processo pode, sim, vir a acontecer em alguns casos, “mas sempre em família, envolvendo sempre veículos Land Rover”.

E o que é este Velar? Faz parte da família Range Rover, que por enquanto oferece os modelos Evoque, Sport e Range Rover. Para o Brasil estarão disponíveis quatro versões, basicamente encrustradas, do ponto de vista mercadológico, nas faixas de preço que separam o Evoque do Sport: R-Dynamic S, SE e HSE mais vinte unidades da série First Edition. A esse rápido festival de letrinhas correspondem, respectivamente, os preços de R$ 383,1 mil, R$ 405,4 mil, R$ 445,5 mil e R$ 513,9 mil, “para revolucionar o segmento de SUVs médios”, como diz o texto do comunicado.

Essas versões serão dotadas, sempre, do mesmo motor 3.0 Supercharged, de 380 cv, movidos à gasolina e de transmissão ZF de oito velocidades. Duas outras versões do Velar, a 2.0 Ingenium à gasolina, de 250 cv, e a Ingenium diesel, de 180 cv, estarão disponíveis para reserva e compra a partir daquele 31 de outubro: R$ 291 mil e R$ 311 mil.

Gabriel Patini, diretor de marketing de produto, contou que o modelo Velar divide plataforma com o Jaguar F-Pace, conhecida internamente como D7A. Evoque e Discovery utilizam a plataforma D8 e Ranger Rover, Sport e o futuro Discovery a D7U.

O Range Rover Velar é produzido na Inglaterra, na fábrica de Solihull, na região de Birmingham.


Aquisição faz parte da estratégia da empresa de acelerar o desenvolvimento de seus sistemas para veículos autônomos
Fabricantes de veículos podem reaver R$ 300 milhões em tributos recolhidos nos últimos dois anos
A busca por melhoria na eficiência energética aumentará o consumo de alumínio pelas fabricantes instaladas aqui
Foram avaliados índices de desempenho como qualidade e garantia
Meta estabelecida faz parte de programa iniciado há seis anos
O país vizinho foi responsável por 29,9% dos negócios das empresas brasileiras, US$ 638 milhões 137 mil