Agência AutoData de Notícias


Lançamento -
Décio Costa, de Buenos Aires, Argentina

Volvo FM 370 busca especialização

Array ( [last_activity] => 1487579424 [user_agent] => CCBot/2.0 (http://commoncrawl.org/faq/) [session_id] => s2jm8tae8ar2jmhe6kr6ls8u83 [B64KEY] => fb7ebb055eb3731459eeb081709ba952 ) 1
Com capacidade de produção recuperada, depois das dificuldades pelas quais passou durante o ano passado na entrega de caminhões por conta dos atrasos no fornecimento de componentes de câmbio, a fábrica da Volvo de Curitiba, PR, ganhou condições para incorporar mais um modelo na linha: caminhão da família FM equipado com motor de 11 litros que desenvolve 370 cavalos, nicho de potência em que a fabricante ainda não atuava no País.

De acordo com Sérgio Gomes, gerente de planejamento estratégico da empresa, a novidade terá como missão atender necessidade de transporte de até 50 toneladas de peso bruto total combinado, atrelado a semi-reboque de três eixos, espaçados ou não. O lançamento pretende estar alinhado com a crescente busca de especialização de mercado de carga: “Além de complementar a linha de veículos Volvo, enxergamos na nova oferta uma tendência do segmento, já que o caminhão é apto para atender diversas aplicações rodoviárias”.

O foco inicial da Volvo para o FM 370 são os mercados brasileiro e Argentino. Por aqui espera vender em torno de 80 unidades ainda este ano e outras 1 mil até o fim de 2009. O lançamento custou à fabricante dois anos de desenvolvimento e US$ 25 milhões.

Com o novo produto a fabricante de Curitiba espera conquistar 25% do mercado de caminhões com motores na faixa de 340 a 370 cavalos, segmento que no mercado total de caminhões também representa 25%. Para isso a companhia preparou alguns diferenciais como argumento de vendas. O primeiro enchimento do motor passou a ser com óleo sintético, que pode adiar a primeira troca de 10 mil quilômetros para 30 mil, e lubrificante inédito na caixa do eixo motriz que amplia sua primeira substituição para 400 mil quilômetros, a depender do tipo de aplicação e distância percorrida. Antes essa intervenção ocorria dos 100 mil aos 150 mil quilômetros. De acordo com Luís Carlos Pimenta, gerente de pós-venda da Volvo para a América Latina: “Com planejamento adequado é possível obter redução de até 14% no custo de manutenção preventiva apenas com óleo e filtros, além de deixar o caminhão por menos tempo parado”.

O caminhão tem metas bem definidas. É oferecido a partir de configurações 4x2 ou 6x2 com foco no custo operacional e na logística do seu cliente. Segundo a fabricante o veículo foi pensado para atender exigências na transferência de carga por rodovias asfaltadas, com topografia mista, quilometragem mensal por volta de 12 mil quilômetros e elevada velocidade média. A empresa espera atrair transportadores dos setores de bens de consumo, distribuição de combustível e autopeças, segmentos que atuam com implementos do tipo baú, sider ou tanque.

A fim de entregar a composição mais adequada a Volvo proporciona amplas possibilidades de montagem do modelo, como variação de distâncias entreeixos, até três relações de redução no diferencial, molas parabólicas ou semi-elípticas e opcionais como freio ABS, controle de tração e caixa de transmissão automatizada.

Mesmo com previsão de alta de 11,9% na produção de veículos, encomendas das montadoras não devem crescer
As vendas nestes países fizeram a companhia recuar 4% em vendas no mês de janeiro. Resultado foi positivo em outros mercados
Em 2016, foram montadas 14 mil 111 unidades, volume inferior aos registrados na década de 90
A benesse dos governos anteriores, antes comemoradas pelas montadoras, desembocou numa ociosidade da ordem de 70% nas fábricas brasileiras
Caixa Econômica Federal recebeu primeiro pedido, da Suzantur, para financiar oitenta ônibus pelo programa
Se projeto tornar-se lei e proteger melhor as instituições financeiras recursos liberados podem chegar a R$ 86,7 bilhões este ano