Etiquetagem de pneus aumentará competitividade do setor

Imagem ilustrativa da notícia: Etiquetagem de pneus aumentará competitividade do setor
CompartilheIndústria
27/02/2018

As empresas fabricantes de pneus já tratam de se adequar às novas regras de etiquetagem a partir de abril, quando os produtos chegarão às lojas com etiquetas que os classificarão com notas de A a G, de acordo com as exigências do Inmetro, Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. As notas são baseadas em diversos testes realizados pelo instituto, como frenagem, rodagem em pista seca e molhada, resistência ao rolamento, ruídos e dinamômetro. As adaptações para atender às novas exigências começaram em 2015. 

 

Para Thiago Assad, engenheiro da Cobli, startup especializada em controle de frotas, telemetria e roteirização, a etiquetagem aumentará a competitividade do setor, que buscará melhores notas, e isso poderá refletir em melhor volume de vendas. Ele considera, ainda, que os maiores beneficiados serão os consumidores, pois verão a nota de cada pneu que pretendem comprar e assim decidir qual o melhor custo-benefício.

 

“Os frotistas também terão ganhos relevantes, pois pela etiqueta poderão saber sobre a durabilidade e comportamento de determinado pneu sob chuva, por exemplo.”

 

A etiquetagem segue parâmetros já utilizados na Europa, por meio de avaliação de itens como conforto, que avalia o nível de ruído do pneu, eficiência energética, baseada em resistência à rolagem, e índices de consumo e segurança, avaliando a aderência em superfície molhada e impactos ambientais -- tudo isso com selo do Conpet, que mostra que o pneu atende às normas do Programa Nacional da Racionalização do Uso dos Derivados do Petróleo e do Gás Natural.

 

Anip - A Anip, que representa as fabricantes de pneus, informou que, até setembro do ano passado, último dado disponível, foram produzidos 19,4 milhões de pneus no País, alta de 8,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior. 

 

O segmento de reposição apresentou alta de 5,8% de janeiro a setembro do ano passado, com relação a 2016, o fornecimento às montadoras cresceu 16,3% e as exportações aumentaram 9,9%, na mesma base de comparação.

 

Foto: Divulgação.