Meritor volta a trabalhar seis dias por semana

Imagem ilustrativa da notícia: Meritor volta a trabalhar seis dias por semana

A tímida melhora na produção de caminhões no primeiro semestre fez com que a Meritor retomasse sua operação normal no Brasil, de segunda a sábado. A fabricante de eixos reduzira a jornada de trabalho em sua fábrica de Osasco, SP, em 2015: na época o acordo com o sindicato dos metalúrgicos local determinava que a produção ficasse parada três dias úteis por mês.

 

Adalberto Momi, diretor geral da Meritor para a América do Sul, disse que os volumes de produção retornaram ao patamar normal:

 

“Fabricamos, em média, trezentas unidades por dia. Em 2016, no auge da crise, esse volume chegou a 150 eixos. Agora a economia começa a dar sinais, apesar de tímidos, de recuperação. Mesmo com todo problema político”.

 

A fábrica de Osasco tem ao todo 650 funcionários e, segundo Momi, o acordo de redução de jornada passou pelo não repasse do dissídio coletivo em 2015 e pela manutenção dos empregos:

 

“Com a volta da operação normal esse reajuste nos salários, que deveriam ser pagos em 2015, será pago agora”.

 

Ele não quis informar qual o porcentual de aumento nos salários. Ao todo a Meritor emprega no Brasil novecentos funcionários, em Osasco e em Resende, RJ.

 

Exportação – Uma das razões para a retomada da produção, contou Momi, foi o crescimento das exportações de caminhões no primeiro semestre. De acordo com dados da Anfavea de janeiro a junho os embarques somaram 13 mil 631 unidades, alta de 45,4%: “O mercado interno ainda não deu sinais de recuperação. O que está sustentando a produção no País é a exportação. E isso deve se manter em um ritmo satisfatório”.

 

A Meritor contabiliza a exportação em veículos montados, pois não exporta os seus eixos separadamente:

 

“Nossa expectativa é a de que o mercado se normalize em 2019, com produção de 110 mil a 120 mil caminhões. Em 2017 a produção de caminhões, no Brasil, deverá chegar 75 mil unidades, com vendas de um pouco mais de 45 mil”.

 

O executivo ponderou que, se essa estimativa se confirmar, novos investimentos para o Brasil deverão ser anunciados. Nos últimos três anos a Meritor aplicou US$ 15 milhões na operação local: “Ainda é muito cedo para saber se vamos, ou não, investir em larga escala por aqui. Para tornar viável a obtenção de novos recursos as reformas propostas pelo governo devem ser aprovadas, a economia tem que realmente se descolar da política e voltar a crescer. Se isso acontecer estará justificado novo investimento para a operação”.

 

Momi observou que na Meritor o exercício de análises econômicas são diários: “Há uma dose enorme de esperança de que a recuperação econômica se confirme, mas estamos contidos e com o pé no chão. Olhamos semana a semana, dia a dia como andam os negócios no Brasil. É um otimismo moderado”.

 

Crédito da foto: divulgação