Volvo investe em novo motor

Imagem ilustrativa da notícia: Volvo investe em novo motor
CompartilheEstratégia
14/08/2017

Por enquanto o novo motor, nacionalizado, equipa apenas o chassi B8R, de ônibus urbanos de 15 t, produzido pela Volvo Bus Latin America. Mas provocou a contratação de mais engenheiros e de novos fornecedores e investimento em produto de promete ganhos maiores de eficiência. O equipamento novo foi desenvolvido na Suécia e nacionalizado aqui. O presidente Fabiano Todeschini disse, na terça-feira, 8, que a ideia é dispor de uma família de motores para todos os veículos fabricados no Brasil:

 

“A nacionalização do motor faz parte do investimento de R$ 1 bilhão para a operação na região. Demoramos cerca de um ano nesse processo, e uma das vantagens é que aumentamos os índices de peças nacionais no motor e atingimos um pouco mais de 60% de nacionalização, índice exigido pelo BNDES para o Finame. Esse motor é muito mais eficiente com relação ao consumo e à manutenção do que o seu antecessor”.

 

Todeschini observou que fornecedores tornaram-se parceiros da Volvo a partir do novo motor: “Será, também, exportado e, em cidades com altitudes elevadas, o motor será mais potente. Conseguimos reduzir em 3% o consumo de combustível e em 4% o custo de manutenção. Há mais peças disponíveis, o que facilita o pós-venda. Esse modelo faz parte de nossa estratégia de produção de veículos a partir de uma plataforma global”.

 

O novo motor tem versões de 250 cv e de 330 cv.

 

Mauro Martins, líder de projetos de manufatura, resgatou a realidade de que o desenvolvimento do motor a partir de parceria global trouxe diversos benefícios:

 

“Nós nos valemos de sinergias e de boas práticas, locais e globais, que replicamos na nossa planta para aumentar ainda mais os nossos níveis de qualidade”.

 

Hoje são produzidos em Curitiba os motores de 8, 11 e 13 litros, caixas de câmbio I-Shift e motores industriais de 13 litros.

 

Chassi global – Todeschini contou que o do chassi foi projeto liderado pela engenharia brasileira e desenvolvido em conjunto com a França e a Índia: “É um chassi que se adapta bem nas cidades brasileiras. A intenção é oferece-lo em cidades que prezam por um veículo com motor traseiro, como São Paulo, Campinas, Curitiba, Brasília e Porto Alegre”.

 

O B8R é um chassi com vocação de aplicação urbana, pelo menos por enquanto, segundo Todeschini. Ele disse que esse modelo substituirá o B7R no Brasil e na América Latina: “Mesmo com ganhos de eficiência conseguimos manter o preço dos veículos. Não reajustamos os valores com as novas tecnologias. Esperamos, com isso, fazer grandes negócios”.

 

Com o novo motor de 250 cv de potência, 950 Nm de torque, novas gerações de caixa de cambio Voith e ZF disponíveis e novas relações de diferencial, o veículo garante desempenho superior ao do seu antecessor no transporte de passageiros. Equipado de série com sistema de freios a disco EBS 5, suspensão eletrônica e volante com ajuste de altura e profundidade, oferece segurança e conforto ao motorista e aos passageiros. O modelo possui configuração de eixo 4x2 e está disponível nas versões com pisos alto e baixo.

 

Mercado – Todeschini observou que o mercado de ônibus, principalmente os pesados, acima de 15 toneladas, não se recuperará nos próximos dois anos. Segundo ele no segmento de urbanos a situação ainda é pior:

 

“Há perspectivas de novas licitações nos próximos meses, como em São Paulo. Mas esses veículos só devem começar a rodar no ano que vem. Este ano devemos manter o ritmo de queda apresentado até julho, 40% de retração em pesados e 15% no mercado total”.

 

Um dos entraves, segundo ele, é a falta de caixa das prefeituras no Brasil: “Os prefeitos até querem renovar a frota dos ônibus municipais, mas eles não têm capacidade financeira para comprar o veículo mais equipado. Então optam por ônibus mais simples. Conforto e segurança do passageiro estão sendo deixados de lado por falta de dinheiro..., e essa situação deve perdurar por mais um tempo. Nos próximos anos veremos recuperação, mas ainda tímida”.

 

O segmento de ônibus rodoviários segue a mesma tendência – falta de capacidade de financiamento das empresas de transporte rodoviário: “Muitas estão com capacidade de crédito tomada e precisam fazer caixa antes de qualquer coisa. O que acontece é que as renovações são postergadas até diminuir o nível de endividamento. O setor de transporte, como um todo, precisa de previsibilidade e estabilidade jurídica para voltar a crescer”.