news
10/12/2014

Marcopolo registra 10% de recuo na receita

A desaceleração no mercado interno impactou o desempenho econômico-financeiro da Marcopolo, de Caxias do Sul, RS, no acumulado dos nove primeiros meses do ano. A fabricante de carrocerias de ônibus consolidou receita líquida de R$ 2 bilhões 465 milhões, declínio de 9,9% sobre igual período do ano passado, de acordo com dados revelados pela empresa na segunda-feira, 10.

As receitas no Brasil caíram 15%, para R$ 1 bilhão 706 milhões, enquanto as de exportação e as provenientes das unidades do Exterior avançaram 4,3%, somando perto de R$ 759 milhões. O valor corresponde a 30% do total, crescimento de 3,5 pontos sobre os nove meses do ano passado.

A receita tem origem na venda de 13 mil 316 carrocerias, declínio de 15,5% sobre o mesmo período de 2013. O mercado interno absorveu 10 mil 636 unidades, em queda de 18,7%. As exportações físicas, a partir do Brasil, também caíram: 6,5%, totalizando 1 mil 205 carrocerias.

Nas fábricas localizadas no Exterior que entram no relatório foram comercializadas 1 mil 726 unidades, alta de 18%. Destaques para o México e África do Sul: no primeiro crescimento de 22,5%, somando 876 carrocerias, e, no segundo, 39% e 302 unidades. Na Austrália foi registrado recuo de 6%, para 349 unidades.

Incluindo as fábricas no Exterior em que a Marcopolo não tem controle acima de 50% foram vendidas 20 mil 380 unidades, declínio de 15%. Na Argentina houve queda de 41,5% e, na Índia, de 16,5%. Colômbia apurou crescimento de 29% e Egito de 42%. Estas operações participaram com 6 mil 29 carrocerias, das quais 73% na Índia. Na comparação com o acumulado do ano passado, o recuo é de 14%.

A Marcopolo acumula, nos três trimestres, lucro líquido de R$ 161,2 milhões, declínio de 25,5% sobre igual período do ano passado. Na mesma base de comparação os investimentos da companhia tiveram redução de 69,5%, para pouco mais de R$ 90,5 milhões.

A empresa mantém a expectativa de receita líquida de R$ 3,4 bilhões para o ano, com a produção de 19 mil unidades no Brasil e no Exterior. Os investimentos programados deverão alcançar R$ 130 milhões.