AutoData - Vendas de pneus caem 2% no quadrimestre
news
19/06/2015

Vendas de pneus caem 2% no quadrimestre

Por Redação AutoData

- 19/06/2015

O cenário negativo do setor automotivo refletiu nos resultados da indústria de pneus, que fechou o primeiro quadrimestre em queda de 2% nas vendas, comparado com janeiro a abril do ano passado. Segundo a Anip, associação que representa as fabricantes aqui instaladas, foram comercializadas 24,9 milhões de unidades no período, ante 25,4 milhões há um ano.

Nem o bom momento da reposição, que registrou crescimento de 10,9% no período, para 15,7 milhões de pneus, evitou a retração da indústria. Isso porque as vendas de pneus para montadoras cederam 21,5% e a exportação caiu 13,5%, para 5,2 milhões e 4 milhões, respectivamente.

Segundo a Anip os segmentos de pneus para carro de passeio e industriais foram os únicos a apresentar dados positivos no período. As vendas de pneus de passeio cresceram 4,4%, para 12,7 milhões de unidades, e as de pneus industriais avançaram 3%, para 761 mil unidades.

Em compensação o segmento de pneus de carga recuou 17,5%, para 2,5 milhões de unidades, e o de pneus agrícola caiu 8,8%, para 271 mil unidades. Houve queda também no segmento de duas rodas, 5,8%, para 5,3 milhões de unidades, caminhonetes, 5,2%, para 3,2 milhões de unidades, e OTR, 15,3%, para 46 mil unidades.

Em nota Alberto Mayer, presidente da Anip, afirma que a expectativa é ruim para o setor, ao menos no curto prazo. “Estamos vivendo um período de queda geral nas vendas para as montadoras, acompanhando o que acontece na indústria automotiva, e normalmente o mercado de reposição se mantém nessas crises. Quando não se compra veículos novos ocorre a substituição dos pneus e outras peças que se desgastam, mas no setor de cargas isso não está ocorrendo este ano.”

O motivo, de acordo com a Anip, é a redução do fluxo de veículos nas estradas concedidas à iniciativa privada, medido pela ABCR, Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias. Em abril houve redução de 6,1% no tráfego de veículos pesados, cuja produção de novos recuou 47% no mesmo mês, de acordo com a Anfavea.

Em contrapartida o trimestre encerrou com avanço na produção de pneus: 2,8%, para 24,5 milhões de unidades. Mas a tendência é de reversão do quadro: “Em abril várias empresas diminuíram ou pararam completamente as linhas de montagem. No nosso setor a Pirelli anunciou lay-off”.

Mayer acredita, porém, em reversão do clima negativo que assola o País. Segundo ele, esta é uma fase de ajustes e o crescimento será retomado após esse período.