Redes Peugeot e Citroën dobrarão de tamanho com lojas bi marca

Imagem ilustrativa da notícia: Redes Peugeot e Citroën dobrarão de tamanho com lojas bi marca

São Paulo – Em quatro anos Peugeot e Citroën, do Grupo PSA, projetam dobrar o número de concessionárias no Brasil, parte do processo que tem como objetivo alcançar 5% de participação de mercado, com as duas marcas, em 2021, previsto no plano Virada Brasil. Ao todo serão 364 lojas das duas bandeiras – somente este ano o aumento será de 30%, saltando de 189 para 245 pontos.

 

Boa parte das novas lojas seguirão o conceito bi marca, a exemplo da Paris Rio, inaugurada no Rio de Janeiro, RJ, em março, e da La Cité, em Maceió, AL, que abriu as portas na quinta-feira, 4. As fachadas Peugeot e Citroën são separadas, com entradas e showrooms distintos, e a área de serviços é compartilhada.

 

“Estávamos atentos à grande transformação que a rede de distribuidores passou na Europa e tínhamos justamente este grande diferencial para utilizar aqui: um modelo de concessionária bi marca, com uma só estrutura, mas concebida com espaço e linguagem visual distintos, de acordo com as identidades e concepção única dos produtos de cada marca”, contou, em nota, Marcelo Merani, diretor de desenvolvimento da rede. “O cliente que cruzar o pórtico azul da Peugeot ou que for recebido no lounge da Citroën pode ter a certeza de que receberá produtos e serviços de qualidade superior.”

 

Com a unificação das estruturas o Grupo PSA promete dar maior rentabilidade aos negócios e buscar novos parceiros – parte dos grupos que trabalhavam com Peugeot e Citroën saíram. Nos últimos anos a companhia trabalhou em um salto de qualidade dos serviços oferecidos, para tirar a imagem negativa que tinha com o consumidor brasileiro.

 

A satisfação do consumidor é um dos eixos do tripé do plano Virada Brasil, somado à sustentabilidade e ao crescimento perene. Lançamentos como os Peugeot 2008 e 3008, Citroën C4 Cactus e C4 Lounge e a nova linha de comerciais leves fazem parte do programa tocado pelo presidente Patrice Lucas.

 

Agora, segundo Ana Theresa Borsari, à frente da operação das duas marcas no mercado brasileiro, é a hora de acelerar o crescimento no País:

 

“Soubemos ler o que o cenário econômico nos mostrava e aproveitamos a oportunidade de mudança para também ouvir o consumidor. Tudo isso foi muito importante para construir um plano voltado para atender a um público cada vez mais exigente em todos os aspectos, mas sem perder competitividade e levando em conta a sustentabilidade do negócio”.

 

Foto: Divulgação.