Mercado interno sustenta produção de caminhões

Imagem ilustrativa da notícia: Mercado interno sustenta produção de caminhões
CompartilheBalanço da Anfavea
04/04/2019

São Paulo – A produção das fábricas de caminhões instaladas no País parecem ter passado longe dos reflexos da diminuição das exportações de veículos brasileiros. Se não se produz mais em função da crise argentina, principal parceiro local no setor automotivo, por outro lado não se produziu menos veículos no trimestre. Até março, no segmento de caminhões, saíram das linhas 24 mil 761 unidades, 1,3% a mais do que no primeiro trimestre do ano passado.

 

O desempenho tímido, mas positivo, é fruto da compensação das perdas no exterior com a demanda interna. De acordo com Marco Saltini, vice-presidente da Anfavea, as fabricantes estão conseguindo equilibrar o desempenho comercial de forma a manter a produção acima ou similar ao nível de 2018: “Houve uma inversão do fluxo comercial e as empresas hoje estão focadas no mercado interno. Os pesados seguem puxando a produção, e ao longo do ano os médios deverão representar parte importante na linhas”.

 

Segundo dados da Anfavea divulgados na quinta-feira, 4, a produção, no trimestre, não ficou negativa somente no segmento dos pesados. No janeiro-março foram produzidas 13 mil 67 unidades, 20% a mais do que no primeiro trimestre de 2018. A produção de semipesados, por sua vez, foi de 5 mil 693 unidades, queda de 17,8%. Dos médios, 1 mil 117 unidades, 20,6% menos. Dos leves, 4 mil 637 unidades, queda de 3%. Semileves, 247 unidades, 43,6% menos.

 

Mercado – A Mercedes-Benz segue como líder no mercado de caminhões, fechando o trimestre com vendas totais de 6 mil 646 unidades. A empresa foi a que mais vendeu no segmento de pesados, 3 mil 438 unidades emplacadas, um volume que representa crescimento de 77,5% ante o seu desempenho comercial no primeiro trimestre do ano passado. É líder também no segmento de semipesados, leves e semileves.

 

No segmento de médios a líder no trimestre foi a Volkswagen Caminhões e Ônibus, com 1 mil 158 emplacamentos realizados, 60% a mais. As vendas da companhia foram as únicas a ultrapassarem a marca das mil unidades dentre as demais concorrentes. Segundo Saltini, que afora o cargo representativo na Anfavea é diretor de relações institucionais da VWCO, o crescimento no segmento ocorreu em função das vendas do modelo Delivery de 11 toneladas.

 

As vendas totais de caminhões no País, no trimestre, foi de 21 mil 464 unidades, o que representa crescimento de 47,7% sobre o volume vendido no mesmo período no ano passado. Saltini disse que a tendência para os próximos meses é a de que haja crescimento ante 2018 nas vendas, ainda que menor:

 

“A tendência para o ano, e algo que já vimos no primeiro trimestre, é a diminuição do crescimento das vendas ao longo do ano. No primeiro trimestre do ano passado o volume emplacado representou crescimento expressivo na comparação com 2017. A base, claro, era baixa. O que acontecerá neste ano, contudo, é que o ano começou com um ritmo de vendas maior, de forma que em maio ou junho a distância entre o que foi vendido este ano na comparação com o ano passado será mais próxima”.

 

Foto: Divulgação.