Tupy desenvolve bloco de motor mais leve para a Cummins

Imagem ilustrativa da notícia: Tupy desenvolve bloco de motor mais leve para a Cummins
Foto Jornalista  Caio Bednarski

Por Caio Bednarski

CompartilheFornecedor
16/12/2019

São Paulo – A Tupy e a Cummins desenvolveram em conjunto um novo bloco para o motor 6.7L High-Output. O componente, mais leve do que seu antecessor, começou a ser desenvolvido em 2013, como conta Ricardo Fioramonte, vice-presidente comercial da fornecedora sediada em Joinville, SC.

 

“Conseguimos eliminar cerca de vinte quilos do peso do bloco, uma redução de 15% com relação ao bloco antigo”.

 

Segundo Fioramonte, o bloco também melhor condutividade térmica: “O principal ganho para o cliente é a redução de peso, mas a melhor condução de calor também é um benefício relevante. Isso só foi possível por causa da nova liga que usamos na produção, abandonando o ferro cinzento. Com isso foi possível produzir o bloco do motor com paredes mais finas e com as mesmas especificações técnicas exigidas pela Cummins”.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Tupy desenvolve bloco de motor mais leve para a Cummins

 

Esse motor é aplicado a veículos usados em operações comerciais nos Estados Unidos. De acordo com Fioramonte os clientes finais que trabalham com um veículo equipado o propulsor Cummins ganham mais capacidade de carga útil, pois o novo bloco é mais leve.

 

Atualmente a Tupy produz o novo bloco na unidade de Joinville, SC, e os exporta, pré-usinados, para a fábrica da Cummins em Columbus, Ohio, onde é terminado o processo de usinagem e de montagem do motor: “Esse bloco é específico para o motor 6.7L, mas também usamos essa tecnologia para outros blocos por causa dos benefícios. Em alguns casos ainda usamos o bloco do motor produzido com ferro cinzento, quando a demanda é menor”.

 

Além da unidade catarinense a fábrica mexicana da Tupy ajuda a abastecer a operação da Cummins em Columbus. Segundo Fioramonte, isso ajuda a empresa a se proteger das variações do mercado e do câmbio e de possíveis problemas com a produção dividida em duas unidades.

 

Fotos: Divulgação.