VM: batalha dura nos semipesados.

Imagem ilustrativa da notícia: VM: batalha dura nos semipesados.

Itu, SP – A Volvo apresentou na terça-feira, 16, a linha 2020 do modelo semipesado VM com a cabine renovada e novos itens para tentar atrair as atenções de um mercado no qual passa longe do protagonismo, um universo dominado, no quesito vendas, por Mercedes-Benz e Volkswagen Caminhões e Ônibus. Há a expectativa de que este ano apareçam oportunidades na distribuição urbana, o que levou a empresa a projetar alta de 20% do volume de vendas na categoria até dezembro na comparação com o volume de 2018.

 

Aumentar a participação é tido como uma tarefa complexa -- mas possível. O segmento de semipesados é daqueles em que preço é um fator sensível e altamente explorado pela concorrência: a distribuição urbana, para a qual fora desenhado o Volvo VM, em geral demanda viagens mais curtas, o que leva o frotista a apostar em veículos mais simples do ponto de vista tecnológico. O veículo da Volvo, no entanto, segue para outro lado, segundo Alcides Cavalcanti, diretor comercial de caminhões: “Miramos um público acima do de entrada com este lançamento”.

 

Mas o que poderia ajudar a companhia a chegar em dezembro com vendas positivas na comparação anual? Cavalcanti explicou: “As vendas no segmento, por si só, estão aumentando gradativamente. Os setores que consomem este tipo de caminhão estão atrelados ao avanço do PIB, mas não como acontece no agronegócio, onde está tudo bem. O PIB está sendo revisto mensalmente, para baixo, mas o crédito está disponível. O que pode nos ajudar a crescer é a saída recente de um concorrente do mercado”.

 

O executivo se refere à Ford, que anunciou em fevereiro saída do negócio caminhão na América do Sul, e que é – ou era – competidor importante nos semipesados com a linha Cargo. Cavalcanti diz que a Volvo trabalha com a possibilidade de conquistar até 20% dos volumes da Ford com o recém-lançado VM modelo 2020: “Nosso veículo pode ser atrativo onde a Ford atuava com a linha Cargo nas configurações 6x2 e 6x4”.

 

De acordo com dados da Anfavea referentes ao mercado no primeiro trimestre, a Ford registrou 771 unidades emplacadas no segmento de semipesados, alta de 67,6%. A Volvo, por sua vez, registrou no mesmo período 320 unidades, 89% a mais. Somados os dois volumes de vendas, ainda falta para chegar ao patamar de vendas das líderes VWCO e M-B. A Mercedes-Benz emplacou no janeiro-março 1 mil 630 unidades do Atego, enquanto que a VWCO licenciou 1 mil 572 unidades dos modelos VW 24, 17 e 15 toneladas.

 

Caso consiga aumentar sua participação no mercado, os Volvo VM voltam a ganhar mais espaço dentro do mix de vendas da companhia. No passado, contou Cavalcanti, os veículo da categoria dividiam o volume total de caminhões vendidos com os modelos pesados, mercado onde a Volvo é uma das protagonistas. Atualmente, a proporção dentro do mix de vendas está dividido em 65% de pesados – com os modelos F, FH e FHX – e os 35% com os semipesados.

O novo VM está disponível na rede Volvo. A empresa fez modificações na cabine, como sistema de segurança frontal chamado FUPS, luzes de posicionamento, defletores aerodinâmicos, novos para-choque e para-lamas e a empresa criou novos acessos do motorista aos farois e reservatório de água, para facilitar a manutenção rápida feita pelo motorista durante a operação de transporte. A caixa de câmbio automatizada, I-shift, segue a mesma utilizada pelo modelo anterior ao 2020. Há também versões com câmbio manual de seis, nove e catorze marchas.

 

Foto: Divulgação.