Randon quer recorde de vendas em 2019

Imagem ilustrativa da notícia: Randon quer recorde de vendas em 2019
CompartilheImplementos Rodoviários
17/07/2019

São Paulo, SP – Com o resultado consolidado de vendas internas e externas do primeiro semestre a Randon, de Caxias do Sul, RS, acredita que será possível atingir o seu recorde de vendas em 2019, segundo Alexandre Gazzi, COO da divisão montadora da Empresas Randon: “Se o mercado continuar aquecido como foi até junho conseguiremos ultrapassar a marca de 26 mil implementos vendidos, o que poderá ser o maior volume da nossa história”.

 

Até junho a Randon registrou 10 mil 153 vendas, alta de 34% na comparação com o primeiro semestre do ano passado, e as exportações somaram 1 mil 98 unidades, volume estável na mesma base de comparação.

 

O agronegócio foi o segmento que mais demandou implementos da Randon no período, representado em torno de 70% das vendas, e Gazzi acredita que outros segmentos também aumentarão as demandas caso a economia volte a crescer em um ritmo mais rápido, com investimentos em construção civil e infraestrutura.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Randon quer recorde de vendas em 2019

 

Para conquistar seu recorde de vendas no ano a expectativa da Randon para o mercado no segundo semestre é a de que o agronegócio continue puxando a alta do setor e que a reforma da Previdência seja aprovada, melhorando o animo dos empresários, o que trará uma movimentação de compra maior. Mas a empresa já olha para o último trimestre do ano:

 

“Temos mais de 7 mil pedidos em carteira para entregar até setembro. Com isto estamos olhando para os negócios que fecharemos para entregar no último trimestre do ano, quando teremos uma produção menor por causa das férias coletivas de dezembro”.

 

Com relação às exportações a empresa vendeu 1 mil 98 produtos para outros países no primeiro semestre, volume estável com relação ao mesmo período de 2018, mas para atingir o seu maior volume da história precisará exportar cerca de 1,5 mil implemnetos até dezembro, meta difícil, mas que Gazzi considera viável:

 

“Acredito que será possível manter o volume de exportações do ano passado, mesmo com a crise na Argentina, porque o nosso principal mercado na região é o Chile e também exploramos outras regiões, como a África”.

 

A grande demanda do mercado interno, que consumiu cerca de 31 mil implementos no primeiro semestre, surpreendeu a Randon, que esperava crescimento menor até junho. Para Gazzi a surpresa foi boa e, se o mercado continuar assim, chegará a dezembro com volume parecidoom o registrado nos melhores anos do setor, com vendas acima de 50 mil unidades: “Se nada mudar o setor chegará a dezembro com vendas de 55 mil a 58 mil unidades, voltando ao patamar de antes da crise”.

 

Mesmo com a intenção de manter o seu volume de exportação em 2019 a projeção da companhia para as vendas externas do setor é de 3,2 mil implementos, queda de, aproximadamente, 20%, reflexo da crise econômica na Argentina e de menores vendas para outros países da América do Sul.

 

Próximos anos
Caso o mercado interno continue crescendo e as vendas ultrapassem 60 mil unidades/ano a Randon já fez suas contas para aumentar a capacidade produtiva no País: “Caso o mercado demande,conseguiremos elevar a produção de 120 implementos/dia para 150/dia com um investimento pequeno, elevando a produção anual para 37 mil unidades”.

 

Fotos: Divulgação/Jefferson Bernardes.