Meta New Holland: manter sua fatia no mercado brasileiro.

Imagem ilustrativa da notícia: Meta New Holland: manter sua fatia no mercado brasileiro.
CompartilheMáquinas agrícolas
27/08/2019

Esteio, RS – O objetivo da New Holland para o ano segue em linha com o do ano passado: manter a participação de mercado em seus dois principais segmentos de atuação. A meta, segundo seu novo diretor de mercado Brasil, Eduardo Kerbauy, é acompanhar o crescimento das vendas de tratores e colheitadeiras.

 

“Um a cada quatro tratores vendidos no mercado, atualmente, é nosso. No caso das colheitadeiras temos números ainda melhores, uma a cada três. A projeção para o ano é manter este ritmo e acompanhar o mercado”.

 

O diretor foi apresentado durante a Expointer, feira destinada ao segmento agrícola em Esteio, RS. Ele não revelou as projeções de vendas para o evento, mas disse esperar boa demanda dos agricultores que procuram máquinas com mais tecnologia embutida, para melhorar as suas operações. Segundo ele, a New Holland tem trabalhado com grande foco nessa área para entregar máquinas com nível de tecnologia embarcada cada vez maior. 

 

Olhando para essa maior exigência dos consumidores a New Holland apresentou na Expointer o trator arrozeiro T9.435, o maior do mercado nesse segmento, equipado com motor de 370 cv e alguns itens que são encontrados em carros, como faróis de led, indicador de mudança de marcha no painel e ar-condicionado.

 

Outra novidade para o segmento arrozeiro é a colheitadeira CR 7.90 – a maior vendida no Brasil para esse segmento e que oferece diversas configurações para se adaptar à operação de cada produtor.

 

Futuro do Agro – A New Holland aproveitou o evento para expor parte da sua visão de futuro para esse setor, no qual os produtores terão que buscar produtividade cada vez maior e com áreas cada vez menores, novas tecnologias de sementes e, principalmente, mais tecnologia embarcada nas máquinas.

 

Mercado 2019 – A expectativa da companhia é a de que as vendas de tratores cresçam 5% na comparação com 2018, quando foram negociados 38 mil 803 unidades e, no caso das colheitadeiras, alta de 5%, sobre as 5 mil 765 máquinas comercializadas no ano passado.

 

Foto: Divulgação.