Na falta do que mais fazer... mau agouro sobre rodas!

Instituições especializadas na gestão de marcas sugeriram que a FCA mude critérios na escolha de nomes para seus veículos nos Estados Unidos. Reclamam que a fabricante batiza os carros com nomes agressivos para os seguidores da fé cristã, informou o portal Flash de Motor, da Venezuela.

A polêmica ganhou força com o lançamento do novo veículo da linha de alto rendimento Dodge Challenger, o SRT Demon, ou Demônio, na tradução livre. Chamou a atenção, também, a logomarca do veículo: as instituições acreditam que o nome e o símbolo são inadequados para um momento em que se busca a redução da mortalidade no trânsito dos Estados Unidos.

A Chrysler sempre utilizou denominações consideradas polêmicas por alas religiosas. Usou um pentágono, símbolo do satanismo para algumas religiões, como sua marca até integrar o grupo FCA. A sua divisão de picapes, a RAM, tem como símbolo um carneiro, figura também associada a culto satanista.

As pressões exercidas pelos críticos parecem ter surtido efeito. Há duas semanas uma das empresas do grupo registrou no departamento de patentes dos Estados Unidos o nome Angel, ou Anjo. A solicitação da companhia junto ao órgão federal indica que o nome será utilizado para “identificar veículos de turismo”.