Toyota: montadora de carros ficou no passado.

Imagem ilustrativa da notícia: Toyota: montadora de carros ficou no passado.

São Paulo – A Toyota mostra no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo que a evolução da tecnologia pressiona as empresas produtoras de veículos a abandonar o perfil tradicional de fabricantes e se tranformar em companhias de mobilidade – que passam a mirar negócios nos quais a venda do veículos compartilha o protagonismo com serviços que a ele estão relacionados.

 

Em meio aos lançamentos que anunciou no evento, a companhia japonesa mostrou produtos cujo desenvolvimento levou em consideração esta nova faceta do mercado de veículos. O Concept-I, por exemplo, é um veículo dotado de inteligência artificial, ou seja, ele interage e aprende com o motorista. O Concept-I Ride, movido a energia elétrica, segue na mesma linha, mas é menor.

 

Os dois modelos, projetados nos Estados Unidos e já mostrados ao mercado em feiras ali e no Japão, trazem conceitos inovadores, mas lembram veículos em sua forma tradicional. A maior novidade, neste caso, está na aplicação dos veículos do futuro. Segundo Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil, a empresa estuda aplicar os modelos nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Japão, em 2020, em sistema de compartilhamento.

 

A visão da empresa acerca do futuro da indústria, no entanto, vai além do formato chassi sobre rodas. Outro conceito apresentado em São Paulo foi o concept-I Walk, veículo semelhante a um patinete elétrico. Foi concebido para uso em áreas de pedestres e integrará, nos próximos anos, serviços de compartilhamento.

 

Se a aplicação dos veículos ainda está distante da realidade do Brasil é justamente no campo do compartilhamento, termo onipresente em discussões sobre mobilidade do futuro, que já podemos ver ideias funcionando na prática e agora. A Toyota anunciou durante o Salão parceria com a empresa de carsharing moObie, envolvidas em projeto piloto, iniciado em 1º de novembro, no qual funcionários da montadora alugam por meio de aplicativo os modelos Prius e Yaris. A iniciativa surge após fortes sinais de crescimento do mercado: segundo dados da consultoria Frost & Sullivan nos últimos três anos cerca de 7 milhões de usuários adotaram o compartilhamento de carros, que tem a missão de ser uma alternativa disruptiva e sustentável no universo da mobilidade.

 

Para Tamy Lin, CEO da moObie, é importante que outras empresas tenham interesse no carsharing, pois é “uma tendência global que deve continuar em crescimento”. Estudo da Frost & Sullivan corrobora o cenário: nos últimos três anos, cerca de sete milhões de usuários no mundo adotaram o compartilhamento de carros.

 

Este ano a startup registrou aumento de usuários cadastrados no aplicativo, somando mais de 150 mil. O número de carros cadastrados passou de cinco mil para sete mil, que rodam em grandes centros do País, como Brasília, DF, Curitiba, PR, e São Paulo.

 

A Toyota vem anunciando globalmente sua mudança de direção de fabricante de veículos para uma empresa provedora de soluções em mobilidade. A operação brasileira, por meio de comunicado divulgado durante a realização do Salão do Automóvel, está “estudando cuidadosamente as possibilidades no mercado e vê na parceria com a moObie um caminho para aprofundar o conhecimento tecnológico em prol de novas experiências na utilização de veículos”.

 

“Por ser um planejamento global passamos a estudar meios no Brasil para oferecer novos serviços de mobilidades. A moObie oferece um serviço alinhado àquilo que enxergamos para a empresa no futuro, um ambiente dentro do qual exista a cultura do compartilhamento”, disse Miguel Fonseca, vice-presidente executivo da Toyota Brasil -- que, por causa de uma lesão, locomove-se pelo Salão com o auxílio de um patinete. Que não era Toyota. Ainda.

 

Foto: Divulgação.