Moderfrota ganha mais R$ 500 milhões na Agrishow

Imagem ilustrativa da notícia: Moderfrota ganha mais R$ 500 milhões na Agrishow
CompartilheAgronegócio
29/04/2019

Ribeirão Preto, SP – O governo “raspou o tacho” e conseguiu oferecer mais R$ 500 milhões em crédito para o Moderfrota, linha de financiamento do BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, dedicada à renovação de frota de máquinas agrícolas. O anúncio foi feito pela Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, durante a cerimônia de abertura da Agrishow, maior feira do setor de agronegócio da América Latina, na segunda-feira, 29.

 

Novas adesões ao programa estavam suspensas há duas semanas e nem a Anfavea acreditava em crédito suplementar.

 

“Depois de muita conversa com técnicos do governo conseguimos liberar esse valor para o evento. Sabemos que é pouco, mas foi o montante que conseguimos remanejar de outros projetos”, disse a ministra, que definiu o valor como “a raspa do tacho” – e indicou que dificilmente o governo conseguirá liberar novos valores até o final do Plano Safra 2018/2019, que encerra em dia 31 de junho.

 

O plano safra 2019/2020 está previsto para 1º de julho, mas ainda não há sinalização do valor destinado ao Moderfrota.

 

Além dos R$ 500 milhões do BNDES, o presidente da República, Jair Bolsonaro, confirmou que o Banco do Brasil oferece R$ 1 bilhão em crédito para o evento e outros R$ 1,5 bilhão serão destinados para o seguro rural. Ele pediu ainda, ao presidente do BB, redução nos juros ao agricultor – mas, após as ações da instituição caírem durante o dia, voltou atrás, por meio de seu porta-voz, que garantiu que o governo não mexerá em juros de bancos públicos.

 

Dinheiro para financiamento de máquinas certamente não faltará. Bancos privados também oferecem linhas especiais – o Santander tem pouco mais de R$ 1 bilhão em crédito pré-aprovado para a Agrishow, de acordo com seu diretor de agronegócio Carlos Aguiar.

 

“Esse valor é um pouco maior do que o dedicado ao evento no ano passado, que não chegou a R$ 1 bilhão. Historicamente, o volume de negócios gerados na feira cresce de 25% a 27% a cada edição e, por isso, decidimos aumentar o valor destinado ao evento”.

 

Os financiamentos poderão ser contratados por meio do CDC Agro, com taxa de 0,79% ao mês, até 100% do valor do negócio e até sete anos para pagamento. O banco promete aprovação e liberação do crédito para até 24 horas depois do contrato fechado.

 

A cooperativa Sicredi tem mais R$ 500 milhões, montante bem acima do dedicado no ano passado, que ficou em torno de R$ 100 milhões:  “Esse valor é modesto, mas caso os produtores consumam tudo antes do evento acabar, aprovaremos outro montante para deixar disponíveis nossas linhas de financiamentos”, disse o gerente de crédito Gilvan Farias.

 

Novidades no Estado – O governador de São Paulo, João Doria, prometeu para outubro de 2020 uma nova feira dedicada ao agronegócio: o Salão Internacional do Agro, no Expo São Paulo. “Será um evento para complementar a Agrishow, para trazer mais investidores internacionais para comprarem os produtos nacionais”.

 

O governador aproveitou a cerimônia de abertura da feira em Ribeirão Preto, SP, para anunciar o projeto de mudança do Ceagesp – segundo ele, para um terreno doze vezes maior, que melhorará a chegada, saída e o serviço do local.

 

A ideia é transformar o atual terreno do Ceagesp em um centro de tecnologia e reverter o lucro gerado em investimentos para pesquisas da Embrapa.

 

Foto: Alan Santos/PR/Divulgação