Corretores vendem veículos pela internet

Imagem ilustrativa da notícia: Corretores vendem veículos pela internet

São Paulo – Há dois meses uma empresa de Mogi Guaçu, SP, deu início às operações de um novo canal de venda de veículos via internet, o BMZ Auto Broker. O serviço é baseado no modelo de corretagem: veículos seminovos que estão a venda por pessoas físicas são cadastrados em uma plataforma digital e negociados por corretores que aderem ao negócio por meio de franquia. A cada veículo vendido paga-se uma comissão ao franqueado.

 

Segundo Marcio Leitão, fundador e CEO da BMZ, nos próximos cinco anos a meta é chegar a 1,2 mil corretores franqueados, com um faturamento de R$ 50 milhões. Hoje há doze corretores cadastrados na plataforma. O objetivo, considerado agressivo, foi traçado com base na média de adesões que outras franquias que atuam no setor automotivo apresentaram no mercado.

 

O serviço de corretagem da BMZ se soma a outros de vendas de veículos que surgiram nos últimos anos baseados na internet. Um dos mais recentes é o InstaCarro, serviço de leilão virtual para veículos seminovos. No caso de veículos novos montadoras também aderiram ao canal online recentemente. A Renault, por exemplo, vende o compacto Kwid pela internet. Volkswagen e FCA também oferecem a plataforma digital como meio de compra.

 

Leitão afirmou que ainda não há no mercado empresa com modelo de negócio similar: “Nosso modelo consiste em oferecer um serviço à pessoa física que busca uma melhor oportunidade, com valores de venda mais altos. No caso de outras plataformas a aposta é na venda rápida, que nem sempre gera valores de venda interessantes ao proprietário do veículo”.

 

A aposta da empresa com sua plataforma digital é constituir uma espécie de estoque virtual e aumentar a exposição de veículos à venda para um número maior de interessados: “Neste ponto o papel do corretor é fundamental, porque é ele quem prospecta os compradores. Além da sua carteira de veículos cadastrados, ele pode vender da carteira de outros franqueados”.

 

O modelo de expansão por meio de franquia foi escolhido, segundo Leitão, para dar padrão ao serviço, uma vez que a profissão de corretor de veículos não é regulamentada. Uma vez cadastrado, o veículo cujo proprietário é pessoa física não pode ser anunciado em outra plataforma pois há uma relação de exclusividade.

 

Os franqueados passam por treinamentos de vendas e recebem suporte da BMZ por cinco anos, tempo médio de contrato. A empresa do Interior paulista está há dez anos no mercado automotivo, no qual iniciou os trabalhos como uma loja de limpeza de veículos.

 

Comuns nos Estados Unidos e na Austrália, os corretores de veículos atuam em todas as etapas que envolvem a compra e a venda de um carro: são eles os profissionais especializados e capacitados em intermediar negociações automotivas do comprador com o vendedor.

 

Foto: Divulgação.