Varejo cresce 2,5% em ano em que vendas diretas batem recorde

Imagem ilustrativa da notícia: Varejo cresce 2,5% em ano em que vendas diretas batem recorde
Foto Jornalista  André Barros

Por André Barros

CompartilheMercado
06/01/2020

São Paulo – Dos 2 milhões 659 mil automóveis e comerciais leves emplacados em 2019, 7,7% acima do volume de 2018, 54,3% foram comercializados pelo varejo, segundo divulgou a Fenabrave na semana passada. Em volume significa 1 milhão 443 mil unidades, 2,5% acima das 1 milhão 407 mil de 2018 – ao passo que as vendas diretas relatadas pela entidade, 45,7% do total, somaram 1 milhão 215 mil unidades, 14,4% acima das 1 milhão 62 mil do ano anterior.

 

O volume está longe de ser o oficialmente praticado, uma vez que muitas vendas consideradas diretas são feitas por meio de varejistas. Compras de taxistas e PcDs, por exemplo – este segundo um segmento em franco crescimento – são fechadas nas concessionárias, mas têm a nota fiscal emitida pela montadora. São, por isso, consideradas vendas diretas pela Fenabrave.

 

De toda forma o desempenho do varejo está bem aquém do mercado total, embora ambos tenham registrado ascensão em 2019. Os varejistas comercializaram 36 mil unidades a mais de 2018 para 2019, ao passo que às vendas diretas foram acrescentadas 153 mil veículos no mesmo período. Uma realidade que, segundo afirmou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, "chegou para ficar".

 

O mercado brasileiro, somados automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, cresceu 8,7% no ano passado, de acordo com os dados divulgados pela Fenabrave, para 2 milhões 787 mil 855 unidades. O segmento leve apresentou aumento abaixo do ritmo do pesado – 7,7% de alta em automóveis e comerciais leves, 33,1% em caminhões e 38,9% em ônibus.

 

Foi o melhor resultado de vendas domésticas desde 2015 e manteve o ritmo de recuperação do mercado iniciado em 2017.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Varejo cresce 2,5% em ano em que vendas diretas batem recorde

 

O resultado não ficou muito longe das projeções da Anfavea e da própria Fenabrave: a associação das fabricantes estimou, em sua última projeção, alta de 9,1%, para 2,8 milhões de unidades. A dos distribuidores chegou mais perto: em outubro divulgou estimativa de 2 milhões 797 mil unidades vendidas, crescimento de 9%.

 

Foto: Divulgação.