FCA programa retomada da produção para 11 de maio

Imagem ilustrativa da notícia: FCA programa retomada da produção para 11 de maio
Foto Jornalista  André Barros

Por André Barros

CompartilheBalanço
05/05/2020

São Paulo – A FCA programou para a segunda-feira, 11 de maio, a reabertura de suas fábricas no Brasil e na Argentina. A informação foi fornecida a investidores durante a divulgação dos resultados do primeiro trimestre do ano, na terça-feira, 5 – mesmo com o efeito da pandemia da covid-19 nos negócios a companhia registrou EBIT de € 52 milhões, 95% abaixo do mesmo período de 2019. Houve prejuízo de € 471..

 

A América Latina registrou redução de 32% na sua geração de receita líquida, que somou € 1 bilhão 320 milhões, devido à queda de 12% nas vendas – 106 mil unidades no período – e à desvalorização do real. Por aqui os efeitos da covid-19 começaram a ser sentidos mais na segunda metade de maio, gerando impacto menor nos negócios.

 

Globalmente a queda no volume de vendas chegou a 21%, para 818 mil veículos.

 

A produção já retornou na China e na Itália, com o restante da Europa reabrindo as operações no decorrer do mês. Na América do Norte a previsão é retomar a produção em 18 de maio, uma semana depois de Betim, MG, Campo Largo, PR, Goiana, PE, e Córdoba, Argentina.

 

Em entrevista ao Webcon AutoData o presidente para a região, Antonio Filosa, estimara para meados de maio a retomada na produção. Disse que antes faria pessoalmente um teste, simulando um dia normal de trabalho. Assim como outras fabricantes vêm fazendo haverá alterações na linha de produção, com menos gente e maior distanciamento, além de outras medidas de prevenção.

 

Na divulgação a investidores a FCA disse que priorizará a produção de modelos elétricos, de maior margem de lucro e com estoque baixo, sempre alinhado à demanda do consumidor. A companhia revisou também sua projeção de vendas na região: 3 milhões de unidades, uma redução de 29% com relação a 2019 – a projeção anterior para 2020 era de 4,3 milhões de veículos.

 

No Brasil a expectativa foi reduzida de 2,8 milhões de automóveis e comerciais leves para 1,9 milhão de unidades, queda de 30% com relação ao resultado do ano passado.

 

Foto: Divulgação.