Marcas balançam e ausência no Salão deve crescer

Imagem ilustrativa da notícia: Marcas balançam e ausência no Salão deve crescer
Foto Jornalista Redação AutoData

Por Redação AutoData

CompartilheAutoData
31/01/2020

São Paulo -- O Grupo BMW abriu a porteira em 2020 informando em 8/1 que nem modelos BMW e nem os Mini estarão expostos no Salão Internacional do Automóvel de São Paulo deste ano. Outra fabricante, de importante participação no mercado, sexta no ranking de vendas, disse esta semana que também estará fora: Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil, anunciou que a marca não participará desta edição do Salão brasileiro - assim como a Lexus, naturalmente.

 

Nos bastidores da indústria há mais rumores de que novas ausências serão anunciadas em breve. Audi e Mercedes-Benz são duas que estudam com carinho a participação - ou a ausência, para ser mais preciso.

 

A Kia também não se decidiu: o presidente José Luiz Gandini disse a AutoData que acredita ser mais produtivo investir o dinheiro para levantar um estande no Salão em outras ações de marketing. "O investimento no Salão comprometeria boa parte da minha verba anual de propaganda". 

 

Quem já saiu não pensa em voltar. Ausentes da última edição, em 2018, Jaguar Land Rover e Volvo confirmaram que estarão de fora em 2020. O Grupo PSA, dono das marcas Citroën e Peugeot, é outro que dificilmente participará - oficialmente ainda não há confirmação.

 

Tendência global. Os salões estão perdendo a importância que os credenciou em um passado não tão distante como o local onde tudo acontecia na indústria automotiva. No IAA 2019, em Frankfurt, Alemanha, não ergueram estandes FCA, General Motors, Nissan e Toyota, dentre outras. Um ano antes, em Detroit, Audi, BMW e Mercedes-Benz deixaram seus carros de fora do evento. Em todas essas ocasiões o alto custo é a principal razão alegada, ainda que disfarçada por justificativas oficiais como "focar em atividades mais próximas aos clientes".

 

É muita grana. Ninguém revela abertamente, mas comenta-se nos bastidores que o investimento mínimo para erguer e manter um estande nos doze dias da mostra paulistana - considerando dois dias dedicados à imprensa - pode superar R$ 5 milhões.

 

Sucesso de público: Os mais de 700 mil visitantes que percorreram os corredores do Expo São Paulo durante o evento em 2018 são argumento da organizadora, Reed Exhibitions Alcântara Machado, para manter os valores aos interessados a participar do Salão de Autos, segundo uma fonte de AutoData. Até mesmo o Salão Duas Rodas, no ano passado, com as ausências de marcas de peso como BMW, Ducati e Harley-Davidson teve boa presença de público: estima-se mais de 200 mil pessoas.

 

Foto: Divulgação.