Volvo CE: mercado ficará entre 15 mil e 20 mil unidades

Imagem ilustrativa da notícia: Volvo CE: mercado ficará entre 15 mil e 20 mil unidades
CompartilheMáquinas e Equipamentos
07/03/2018

O mercado equipamentos para construção atingirá de 15 mil a 20 mil unidades por ano no médio prazo. O setor chegou a comercializar 30 mil unidades em 2013 e no ano passado despencou para 7,3 mil unidades. A projeção foi feita pelo presidente da Volvo CE Latin America, Afrânio Chueire, na quarta-feira, 7, durante coletiva de imprensa em São Paulo: "Esse deve ser o mercado no médio prazo. De 2010 e 2014 o volume estava acima da demanda normal". 

 

O executivo considera, no entanto, que para dobrar a quantidade de unidades comercializadas nos próximos anos na comparação com o ano passado serão necessárias algumas ações, principalmente investimento em infraestrutura. "O crescimento está limitado à falta de infraestrutura", disse o executivo ao comentar que os obstáculos passam por questões energética, logística, transporte de commodities, mobilidade urbana e armazenagem.

 

"Este ano será melhor que o ano passado, já começou melhor que 2017, mas um crescimento robusto só teremos no longo prazo e vai depender de investimentos em infraestrutura".

 

Mesmo com a crise financeira que afetou a economia nacional nos últimos anos, o mercado brasileiro ainda é o mais importante da América Latina, com participação de 30% do mercado latino-americano em 2017. Em segunda posição está a Argentina, com 21% do mercado total.

 

Se por um lado, a participação brasileira ainda é a mais expressiva, por outro lado, a evolução nacional no último ano deixou a desejar. Segundo dados divulgados por Chueire, por aqui o mercado teve alta de apenas 1% entre 2016 e 2017. A Argentina quase dobrou o seu tamanho, com expansão de 92% no período. "A Argentina teve um forte crescimento em infraestrutura e mineração e isso refletiu nos números do setor".

 

A evolução do mercado hispânico também foi destaque na apresentação do executivo. Para esse mercado, eles consideram toda a América Latina exceto o Brasil. Neste recorte houve crescimento de 20% no mercado entre 2016 e 2017.

 

Resultado - As máquinas da Volvo e da SDLG registraram 16,9% de market share no Brasil no ano passado. Este resultado é um ponto porcentual superior ao conseguido em 2016. Nos demais países da América Latina, as duas marcas registraram 7,2% de participação de mercado, performance igual à conquistada no ano anterior.


A região hispânica apresentou a melhor atividade. O crescimento ocorreu em todas as linhas de produtos: carregadeiras, escavadeiras, caminhões articulados e demais máquinas de grande porte. “No México, por exemplo, nas linhas de produto que compreendem pás-carregadeiras, escavadeiras e caminhões articulados, nossas vendas aumentaram 30%”.

 

Foto: Divulgação.