TAC Motors prepara nova investida

Imagem ilustrativa da notícia: TAC Motors prepara nova investida

São Paulo – Nove anos depois a TAC Motors prepara uma nova investida, tendo como objeto a venda da versão 2018 do Stark, seu veículo fora de estrada. Em 2009 os primeiros modelos, ainda produzidos em Joinville, SC, foram entregues a consumidores brasileiros e, com boa aceitação, inspiraram novos desenvolvimentos da engenharia da empresa, que tem 105 acionistas – incluindo órgãos governamentais de Santa Catarina e do Ceará, para onde a fábrica se transferiu em 2011 em busca dos incentivos fiscais de Sobral, a cerca de 240 quilômetros de Fortaleza.

 

No meio do caminho apareceu a crise, que derrubou as vendas de veículos e mexeu com os planos da montadora, congelando os desenvolvimentos. Os acionistas chegaram a negociar a empresa com a chinesa Zotye no fim de 2016, mas não houve acerto.

 

Agora, na quarta-feira, 23, a TAC Motors apresentou a versão do ano do Stark com a alcunha de Novo Stark – embora sem grandes novidades estéticas e com o motor FPT 2,3 litros turbodiesel. O objetivo é acelerar as linhas de Sobral: são cem unidades encomendadas e na fila de produção, praticamente ocupando todo o ano da fábrica, de acordo com Neimar Braga, seu diretor presidente.

 

Ao mesmo tempo uma reorganização societária deverá reduzir o número de acionistas para pouco mais de vinte. Com isso mais dinheiro será injetado: “Investiremos R$ 150 milhões nos próximos quatro anos”.

 

Outros pormenores Braga não pôde revelar devido à confidencialidade da transação. Mas disse que novos modelos TAC estão na mira, "sempre mantendo esse DNA fora de estrada. Nosso foco é esse nicho de mercado”.

 

Por atuar nessa segmento especifico a TAC Motors desenvolveu modelo de negócio distinto do usual do setor automotivo nacional: em vez de manter rede de concessionárias, por exemplo, abrirá centros de convivência, batizados Stark Point. A ideia é que, além de pontos de vendas de modelos TAC, seja um local de encontro de aficionados por off-road, clientes da marca e até de concorrentes.

 

O pós-venda, segundo Braga, é feito por oficinas credenciadas. Tudo coordenado por cinco centros de distribuição, um para cada região: Norte, em Manaus, AM, Nordeste, em Recife, PE, Centro-oeste, em Brasília, DF, Sudeste, em Belo Horizonte, MG, e Sul, em Florianópolis, SC: “Em alguns casos ofereceremos atendimento diretamente no local que o cliente desejar”.

 

O fato de ter escala menor permite que a TAC dedique atenção maior aos seus clientes, que começa na própria hora compra: o Stark base tem preço sugerido de R$ 115 mil, que sobe conforme a customização desejada pelo consumidor.

 

Foto: Divulgação