Mercedes-Benz simplifica Accelo e mira clientes Ford

Imagem ilustrativa da notícia: Mercedes-Benz simplifica Accelo e mira clientes Ford

Barueri, SP – A Mercedes-Benz executa planejamento para conquistar o espaço no mercado que será deixado pela Ford Caminhões, que decidiu encerrar suas atividades na América do Sul até o final do ano. A empresa anunciou na terça-feira, 28, três novas versões de entrada do caminhão leve Accelo para atacar o nicho que era cativo da montadora com os Ford Cargo de oito a doze toneladas.

 

De acordo com Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas, marketing e pós-venda, as primeiras unidades estão sendo produzidas em São Bernardo do Campo, SP, e devem chegar à rede M-B em breve. Enquanto isso, a equipe de vendas da companhia busca ganhar espaço com os clientes Ford Caminhões.

 

“Estamos falando de um mercado importante, uma fatia de 12% que, no ano passado, representou mais de 11 mil unidades. É um trabalho que demanda planejamento porque vamos nos deparar com um tipo de cliente cativo que encontrou uma realidade nova, com novas marcas chegando”.

 

A nova versão de entrada foi simplificada, segundo Leoncini, para que o caminhão chegue ao mercado com um preço próximo ao que era praticado pela Ford Caminhões. Nas três versões – 815, 1016 e 1316 – a cabine, para dois ocupantes, será mais curta, a coluna de direção, fixa, e o banco do motorista, por fim, estático.

 

Tudo muito diferente das demais versões do Accelo, como a topo de linha equipada com câmbio automatizado Eaton de seis marchas, assistentes de direção, tração, assentos com regulagem pneumática, dentre outras características que a Mercedes-Benz reuniu em um mesmo termo comercial, o car like, ou seja, quando o caminhão é desenvolvido para que seu design interno seja similar aos dos automóveis.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Mercedes-Benz simplifica Accelo e mira clientes Ford

 

Segundo Leoncini, as versões mais enxutas estão alinhadas com as necessidades dos clientes que a Ford Caminhões deixará de atender, um público que define compra em função do preço final do veículo. Essa parcela, seguiu o executivo, representou 40% dos pedidos da Ford até o ano passado. A fatia restante, 60%, corresponde às demandas das licitações.

 

Esta faixa do mercado é considerada ponto sensível dentro das pretensões da M-B em ocupar o espaço deixado pela fabricante que é vizinha ao seu terreno no ABC paulista. Isso porque, nas projeções da Mercedes-Benz para o mercado em 2019, consta queda nos volumes pedidos pelo Estado:

 

“O número de licitações neste ano será menor. Assim, no final do ano, a fatia que era da Ford será menor, deixará de ser 12%. Há também outra questão, que é a ligada à resposta do varejo. Acredito que clientes Ford, diante das mudanças, poderão postergar as compras para momentos futuros”.

 

Caso avancem as pretensões da M-B no mercado de leves, a companhia poderá chegar ao final do ano com força extra para encerrar o período como líder de vendas no segmento, o que aconteceu no primeiro quadrimestre. No volume acumulado até abril, foram emplacadas 1 mil 270 unidades, o que resulta em aproximadamente 36% de participação de mercado.

 

O Accelo 1016, com 723 unidades, foi o modelo leve mais vendido até abril. Já o Accelo 815 teve 493 veículos emplacados nos quatro primeiros meses, segundo dados da Fenabrave.

 

Foto: Divulgação.