Accelo ganha, enfim, câmbio automatizado

Imagem ilustrativa da notícia: Accelo ganha, enfim, câmbio automatizado
CompartilheLançamento
28/05/2019

Barueri, SP – A introdução do câmbio automatizado no Accelo, inovação anunciada pela Mercedes-Benz na última edição da Fenatran, em 2017, chegou, enfim, ao mercado no mês passado, ofertado na versão topo de linha do caminhão leve. É a última das quinze modificações que a empresa desenvolveu para o modelo já com uma nova cabine, lançada há dois anos.

 

A caixa de câmbio automatizada usada no Accelo, fabricada pela Eaton, tem seis marchas e foi projetada em parceria com a equipe de engenharia da montadora, que estipulou os testes em terreno e submeteu o conjunto a duzentas mil horas de testes. Embora a M-B possua em sua gama transmissões para o segmento leve, Roberto Leoncini, seu vice-presidente de vendas e marketing, afirmou que a empresa decidiu buscar outra opção no mercado, sem citar as razões.

 

Inserir o modelo na operação comercial neste momento, de acordo com o executivo, ocorreu em função de estudo do mercado – a companhia observou que o momento certo para um veículo com caixa automatizada era agora por causa das expectativas em torno das vendas no segmento de leves, sobretudo aquelas com origem em demandas do comércio eletrônico. “O câmbio automatizado é uma tecnologia que está sendo absorvida aos poucos pelos clientes, ainda passará por um processo de maturação no mercado brasileiro”.

 

Para mostrar a aplicação do câmbio automatizado na prática a montadora acordou com Jamef, empresa que atua na área da logística, a utilização em caráter de testes de quatro unidade do Accelo, nas versões de dez e treze toneladas. De acordo com Michael Oliveira, seu diretor de operações, há possibilidade de compra de cerca de 90 e caminhões, dentre os quais o Accelo com câmbio automatizado, ao final deste processo.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Accelo ganha, enfim, câmbio automatizado

 

A Jamef é um cliente antigo da M-B. Atualmente um terço da sua frota própria é composta por caminhões da marca. A companhia circula mercadorias pelo País com 1,2 mil caminhões, sendo destes 630 de sua propriedade e os demais controlados por frotistas agregados. Na garagem são cem unidades do Accelo 815, 26 unidades do Atego 1419, por exemplo.

 

A M-B espera aumentar sua participação no mercado de leves este ano em 36% na comparação com as vendas realizadas no ano passado no segmento. Para isso, criou uma nova versão de entrada, mais simples, para tentar ocupar o espeço deixado pela Ford Caminhões no mercado. E também pretende vender mais na esteira da novidade que o câmbio automatizado representa no mercado, segundo Roberto Leoncini: “Até 2022, 25% das vendas de Accelo será composta pelo modelo com este tipo de transmissão”.

 

O executivo disse, sem citar valores, que a versão topo de linha, na comparação com uma equipada com câmbio manual, terá um preço R$ 5 mil superior.

 

Foto: Divulgação.