Greve geral prejudicou a produção de veículos

Imagem ilustrativa da notícia: Greve geral prejudicou a produção de veículos
CompartilheIndústria
14/06/2019

São Paulo – A greve geral convocada por sindicatos e movimentos sociais afetou a produção automotiva de fábricas paulistas na sexta-feira, 14. As linhas de General Motors, Mercedes-Benz, Toyota, Scania e Volkswagen ficaram paralisadas por conta da adesão dos metalúrgicos à paralisação, que tem, dentre os principais temas, a oposição à reforma na Previdência.

 

As quatro fábricas da Toyota pararam: Indaiatuba, Porto Feliz, São Bernardo do Campo e Sorocaba. Com isso deixaram de ser produzidos 600 Etios e Yaris, 330 Corolla, 600 motores e conjuntos de peças que equipariam 1,5 mil veículos, segundo a assessoria de imprensa.

 

Em comunicado a Mercedes-Benz informou que sua produção em São Bernardo do Campo foi paralisada, mas não revelou quantas unidades deixaram de ser fabricadas. Reclamou, porém, que a greve prejudicou seu planejamento “em um importante momento de recuperação do mercado brasileiro". 

 

As outras três unidades que a companhia possui no País, em Campinas, SP, Iracemápolis, SP, e Juiz de Fora, MG, não foram afetadas pela greve e operaram normalmente.

 

No caso da Volkswagen a fábrica Anchieta, em SBC, também teve a produção paralisada, mas a companhia não informou qual o tamanho do impacto. O mesmo ocorreu com a unidade da Scania na cidade –  a empresa não revelou quantos caminhões e peças deixaram de ser produzidos.

 

A General Motors, que tem fábrica em São Caetano do Sul, não quis comentar a situação da produção, mas de acordo com o sindicato dos metalúrgicos local a unidade também ficou paralisada durante a sexta-feira, 14.

 

Foto: Divulgação