PPG completa 45 anos aqui e projeta crescimento de 10%

Imagem ilustrativa da notícia: PPG completa 45 anos aqui e projeta crescimento de 10%
CompartilheFornecedor
09/08/2019

São Paulo – No ano em que comemora 45 anos de sua operação no Brasil a PPG, fornecedora de tintas para o setor automotivo, acredita em expansão de 10% nas vendas para as montadoras. Até julho, segundo o diretor automotivo OEM para a América Latina, Rafael Torezan, as vendas para o setor avançaram 6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

 

"Acompanhamos os números projetados pela Anfavea, até porque o nosso desempenho nesse setor costuma ser próximo ao da produção de veículos. Se a expectativa da Anfavea for atingida o setor registrará alta de 9%, enquanto nós poderemos crescer um pouco mais, chegando a 10%."

 

A partir de 2020, porém, Torezan acredita em redução no ritmo de crescimento, com uma expansão alta e sustentável. Para ele esse cenário é mais importante do que uma alta grande.

 

A PPG atende a quase as todas as montadoras, com grande relevância para BMW, FCA, Hyundai, Mercedes-Benz, Nissan, Renault, Toyota e Volkswagen. A linha 2020 da picape Fiat Toro e do Jeep Renegade, assim como a do Toyota Yaris, nas versões hatch e sedã, são alguns dos modelos pintados com as tintas automotivas PPG.

 

"Também atuamos em outros segmentos, como o agrícola, em que atendemos a AGCO, a CNH e a John Deere. No ramo de implementos nós fornecemos para a Randon, maior empresa desse setor e nossa parceira há alguns anos."

 

Imagem ilustrativa da notícia: PPG completa 45 anos aqui e projeta crescimento de 10%

 

A grande carteira de clientes tornou o setor automotivo o principal braço de negócios da companhia na América do Sul, representando em torno de 50% do faturamento anual. Sobre projetos futuros Torezan disse que a companhia está buscando novos contratos no mercado, mas por questões internas não pode revelar com quais empresas as negociações estão sendo realizadas.

 

Mesmo com expectativa de expansão para 2019 Torezan ressaltou que a queda nas exportações causada pela crise na Argentina afetará os números da PPG: "Não exportamos nossas tintas: nós fornecemos para as montadoras que pintam e exportam os veículos. Mas com a grande queda no volume exportado para a Argentina nós sentiremos alguns reflexos, porque a produção poderia ser maior".

 

A maior parte das tintas vendidas no Brasil são produzidas na fábrica de Sumaré, SP, onde a companhia possui um laboratório de desenvolvimento para dar suporte aos clientes. Em alguns projetos a PPG desenvolve cores específicas para o mercado nacional e região, dependendo da estratégia de cada montadora e, em outros casos, só segue a fórmula usada no Exterior para iniciar a produção de uma nova cor: "Só importamos as tintas que serão usadas em carros de nicho, com baixo volume".

 

Sustentabilidade - Para o diretor a busca por novos contratos e inovações deve caminhar junto com a parte sustentável, área a que a companhia dedicou grandes esforços nos últimos anos para aumentar o fornecimento e a produtividade de tintas à base de água, sem o uso de solvente:

 

"Atualmente mais de 90% das tintas que fornecemos para o setor automotivo são à base de água, mas é preciso recordar o trabalho que as montadoras também fizeram para modernizar suas áreas de pintura para abandonar as tintas a base de solvente".

 

Fotos: Divulgação.