Volkswagen projeta alta de dois dígitos em 2020

Imagem ilustrativa da notícia: Volkswagen projeta alta de dois dígitos em 2020
Foto Jornalista Caio Bednarski

Por Caio Bednarski

CompartilheEmpresa
23/01/2020

Mogi Guaçu, SP – Crescer mais uma vez acima do mercado. Essa é a expectativa de Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América do Sul, para 2020, repetindo o resultado do ano passado, quando as vendas da marca fecharam em alta de 12%, ante um mercado com expansão de 9%. “Nossas estimativas estão alinhadas com a Anfavea, crescimento de 8% nas vendas. Para a Volkswagen a meta é continuar crescendo acima disso, na casa dos dois dígitos”.

 

No ano passado as vendas da VW no Brasil somaram 411 mil unidades. Para chegar aos dois dígitos de crescimento em 2020 Di Si aposta no primeiro ano cheio de vendas do T-Cross e no lançamento de outro SUV, o Nivus, prometido para o fim do primeiro semestre.

 

“O Nivus será um grande divisor de águas para a empresa no Brasil. Ele inaugurará um novo modelo de negócios no País e trará novas tecnologias embarcadas”.

 

Di Si aposta também na expansão das vendas digitais e conectadas, hoje presente em apenas cinco concessionárias Volkswagen: “Temos quase 500 lojas no País e ao longo do ano todas receberão esse novo modelo de negócio, explorando a parte de realidade aumentada e com a possibilidade do vendedor visitar o cliente em casa com apenas um tablet para mostrar o produto e fechar o negócio”.

 

Essa tecnologia já está presente em todos os países da América Latina em que a Volkswagen atua e a expectativa é que continue crescendo em 2020, colaborando com o aumento das vendas e a qualidade do atendimento aos clientes.

 

O presidente da Volkswagen aposta também em novo aumento de produção, que no ano passado ficou na casa das 486,9 mil unidades, alta de 12,3% sobre 2018 – a indústria, no geral, avançou 2,1%. No caso das exportações, a Volkswagen registrou queda de 4,6% no ano passado, enquanto o mercado caiu 29%, fato considerado bastante positivo pelo presidente, que ressaltou que a empresa compensou grande parte da queda do mercado argentino explorando melhor alguns outros mercados como Chile, Colômbia, Peru e México.

 

Para 2020 o executivo projeta expansão das exportações na comparação com o ano passado, enquanto o mercado deverá registrar outra queda: “Nossas exportações crescerão esse ano e seguiremos explorando novos mercado, como o africano, que começaremos a enviar as primeiras unidades do T-Cross no segundo semestre. Já conversamos com importadores de seis ou sete países e estamos em processo final de definição. O volume para África não será dos maiores, mas o importante, nesse momento, é abrir um novo mercado”.

 

Foto: Divulgação.