Mercedes-Benz promete três lançamentos em 2020

Imagem ilustrativa da notícia: Mercedes-Benz promete três lançamentos em 2020
Foto Jornalista  André Barros

Por André Barros

CompartilheEmpresa
31/01/2020

São Bernardo do Campo, SP – Expediente comum nas fabricantes de automóveis, surpreende uma montadora de veículos comerciais revelar a quantidade de lançamentos previstas para um ano. Pois foi o que Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas e marketing de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, fez na sexta-feira, 31: anunciou três lançamentos para 2020. 

 

Pormenores, naturalmente, não forneceu. Só adiantou que nas contas entram novos modelos de caminhões e ônibus. Prometeu também dois novos serviços para os frotistas e tecnologias inéditas a serem agregadas às linhas atuais.

 

As novidades chegarão para ajudar a Mercedes-Benz a cumprir seu objetivo de manter a liderança em ambos os segmentos. A companhia projeta crescimento de dois dígitos para ambos: 18% em caminhões, atingindo 120 mil unidades, e 23 mil ônibus, alta de 10% – em linha com a Anfavea.

 

Em caminhões a esperança de Leoncini é a retomada do setor de construção civil, além da manutenção dos volumes demandados por agronegócio, bebidas e e-commerce. O executivo espera um crescimento menor da linha pesada e extrapesada, mas ainda em alta, e maior fôlego nos semipesados e leves. No ano passado a Mercedes-Benz comercializou 29 mil 952 caminhões, 42% a mais do que em 2018. Registrou avanço em toda a sua linha: 28% na Actros, 5,8 mil unidades, 63% na Axor, 6,9 mil veículos, 50% na Atego, 8,9 mil caminhões, e 24% na Accelo, 5,4 mil licenciamentos.

 

Leoncini destacou também o aumento nas vendas de planos de manutenção – 10,5 mil planos, aumento de 95% com relação a 2018: “38% dos caminhões foram negociados já com plano de manutenção. Em 2018 esse índice foi de 27%. Ainda é pouco, e nossa meta é 100%”.

 

Em ônibus o resultado somou 11 mil 150 unidades, ou 54% de todo o mercado, e 50% acima do volume de 2018. A Mercedes-Benz liderou nos segmentos de fretamento, urbano e rodoviário – e é nos dois últimos que Leoncini projeta maior demanda em 2020.

 

Foto: Divulgação.