Diferencial na compra de veículos tem nome: cibersegurança.

Imagem ilustrativa da notícia: Diferencial na compra de veículos tem nome: cibersegurança.

Estudo produzido pela KMPG e divulgado na segunda-feira, 5, mostrou que  cibersegurança decidirá compras e que as empresas que compõem o setor automotivo devem buscar consolidação como forma de se manter à frente dos negócios em um contexto no qual as empresas de tecnologia avançam sobre outros setores. Dieter Becker, diretor global da área automotiva da empresa, afirmou que o setor de tecnologia, mais capitalizado, pode exercer influência econômica sobre a indústria de veículos e liderar um movimento de inovação que está para acontecer:

 

“A solidez financeira das maiores empresas de tecnologia ofusca a dos maiores fabricantes automóveis atualmente. Juntos, os cinquenta maiores fabricantes de automóveis representam apenas 20% da capitalização de mercado das quinze maiores empresas tecnológicas. Em 2010 representavam 40%”.

 

Estas são as duas das principais conclusões do décimo-nono estudo global Automotive Executive Survey, trabalho que abrangeu a oitiva de novecentos executivos e de 2 mil consumidores de todo o mundo. Segundo Ricardo Bacellar, consultor para o setor automotivo da KPMG, o setor tem uma vantagem por estar passando por transformações atualmente: “Tem a vantagem de acontecer agora, depois que outras indústrias, que passaram por suas revoluções mais cedo, erraram e acertaram. Para evoluir, precisa beber da história das outras”.

 

Outra das ideias evidenciadas na pesquisa é a de que, em 2030, a cota de veículos produzidos na Europa será inferior a 5%. Perto de 74% dos executivos entrevistados concordam com esta projeção, mostrando uma intensificação do processo de descentralização da produção global, ficando restrita a mercados em desenvolvimento, como China, Índia e América Latina. Sobre isso disse Bacellar que “o Brasil já não está mais isolado tecnologicamente do resto do mundo, pois as fábricas daqui produzem veículos globais”.

 

O estudo revela, ainda, que mais de 80% dos executivos estão convencidos de que a utilização do carro e os dados do condutor serão o principal elemento para construção de modelo de negócios para a indústria do automóvel. E decidirá a compra: perto de 85% dos executivos e de 75% dos clientes ouvidos pela pesquisa acreditam que no futuro a cibersegurança será um requisito prévio para a compra de um automóvel.

 

Foto: Divulgação.