M-B: 350 caminhões para África e Oriente Médio.

Imagem ilustrativa da notícia: M-B: 350 caminhões para África e Oriente Médio.
CompartilheNegócios
22/08/2018

São Bernardo do Campo - Em 2015, a Mercedes-Benz começou a explorar regiões como Oriente Médio e África para aumentar suas exportações, uma solução para sustentar parte da sua produção em um mercado brasileiro em crise. Nesta ano, a companhia projeta crescimento de 40% no volume exportado para vinte países da região, segundo afirmou Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas, marketing e peças e serviços caminhões e ônibus:

 

“Queremos exportar, este ano, 350 caminhões para países da África e do Oriente Médio, ante os 260 que foram embarcados no ano passado. A partir do ano que vem acredito que teremos um crescimento mais robusto na região, começando a fechar vendas maiores”.

 

Do total projetado pela empresa para este ano, 250 unidades foram embarcadas até julho. Desde 2015, quando começou a prospectar novos clientes, a Mercedes-Benz já exportou 1 mil veículos para os países da região.

 

Para melhorar suas operações na região a empresa teve que rever sua logística de exportações. O Atego, por exemplo, passou a ser exportado em containers Flat Rock, gerando economia de 16% a 20% na comparação com o sistema roll on-roll off. O Accelo é enviado em contêineres comuns, nos quais consegue-se colocar duas unidades, reduzindo pela metade o custo do sistema tradicional. O tempo de trânsito foi reduzido em 25% na mesma base de comparação.

 

Accelo e Atego são os caminhões produzidos em São Bernardo do Campo, SP, alvo de exportações para África e Oriente Médio e concorrem, basicamente, com diversas marcas de veículos produzidos na China. Embora os caminhões chineses sejam mais baratos, Leoncini disse que a Mercedes-Benz consegue conquistar mercado porque oferece maior robustez em seus produtos, característica que é a que mais interessa aos clientes na região: “Além da robustez conseguimos conquistar novos clientes oferecendo assistência técnica diferenciada e a própria marca Mercedes-Benz tem seu peso no mercado”.

 

Antes de serem exportados os caminhões passam por algumas adaptações, como o painel no idioma árabe, escapamento vertical, pneus especiais para operações no deserto e dispositivo de proteção frontal. Na região, predominam as aplicações para o transporte de água, militar, compactação de lixo e plataforma de socorro.

 

A Mercedes-Benz, eventualmente, faz a instalação de implementos rodoviários e, dependendo do caso, oferece treinamento para que terceiros façam o serviço. Para atender à região a empresa mantém dois escritórios com funcionários treinados nas áreas de vendas e de pós-vendas.

 

Fotos: Divulgação.