Indústria argentina fecha 2018 em baixa

Imagem ilustrativa da notícia: Indústria argentina fecha 2018 em baixa

São Paulo – A produção e as vendas de veículos na Argentina chegaram ao final de 2018 em queda. Dados da Adefa divulgados na sexta-feira, 4, mostram que as fabricantes que atuam no país vizinho produziram 466 mil 649 unidades, volume que representa recuo de 1,4% ante o total produzido em 2017. Nas concessionárias, no acumulado do ano a queda foi de 23,6% nas vendas de veículos produzidos localmente, chegando a 197 mil 827 unidades.

 

Somadas as vendas de veículos importados também houve queda no volume vendido em 2018. O varejo registrou, até dezembro, um total de 681 mil 816 unidades vendidas no país, 22,9% a menos do que o total registrado em 2017. De acordo com a entidade que representa as fabricantes, o quadro negativo se acentuou em dezembro, mês que teve somente nove dias úteis em média, segundo os cálculos da Adefa, e produção interrompida nas fábricas que anunciaram investimentos em expansão.

 

Reflexo disso, as linhas produziram 44% menos do que novembro. Na comparação com o resultado de dezembro do ano passado, a produção do último mês de 2018 foi 38,5% menor. Nas vendas, o volume negociado em dezembro foi 46,3% maior do que o registrado em novembro. No entanto, comparando com o resultado de dezembro de 2017, houve queda de 46,4% nos emplacamentos.

 

Nas exportações, por outro lado, o mercado argentino terminou o ano em alta. Até dezembro foram embarcados 269 mil 360 veículos, 28,5% a mais do que o volume exportado em 2017. O Brasil foi o principal destino dos veículos produzidos na Argentina: 185 mil 913 unidades, ou 69% da produção argentina destinada a exportação desembarcou no País.

 

Separando por categorias, as exportações argentinas foram compostas em 2018 por 105 mil 145 unidades de automóveis, 90% a mais do que o volume registrado em 2017. As exportações de caminhões e comerciais leves chegaram a 164 mil 215 unidades, o que representa crescimento de 6,5% na comparação com o total exportado em 2017, na categoria.

 

Foto: Divulgação.