Governo argentino eleva imposto para importação

Imagem ilustrativa da notícia: Governo argentino eleva imposto para importação
CompartilheComércio Exterior
06/05/2019

São Paulo – Um decreto publicado pelo governo argentino elevou em 400% um dos impostos que incide sobre veículos importados – incluindo os do Brasil. A taxa subiu de 0,5% para 2,5%, mas será aplicado “de forma temporária”, segundo o próprio governo, que agendou para dezembro uma revisão da alíquota. Sua entrada em vigor surge como forma de reduzir o déficit público que corrói a economia argentina, com reflexos graves no mercado interno de automóveis.

 

Segundo a Acara, associação que representa as concessionárias naquele país, até abril foram comercializados 176,6 mil veículos na Argentina, uma contração de 50% frente as 353,2 mil unidades de janeiro a abril do ano passado. No mês passado foram licenciados 37,3 mil unidades, recuo de 52% na comparação com abril de 2018. Em torno de 70% das vendas internas são de modelos importados, de acordo com a Adefa, a entidade que representa as fabricantes.

A publicação argentina Autoblog informa que, internamente, há temor de que o aumento da tributação exerça pressão sobre os preços dos veículos importados, que já vinham se elevando de forma constante devido à desvalorização do peso frente ao dólar e à aceleração da inflação. A medida também poderia ser interpretada como uma nova barreira tarifária para proteger a indústria automotiva local.

 

“Vemos com muita preocupação o alcance deste aumento de imposto nos custos de produção e comercialização, tendo em conta a situação pela qual o setor se encontra”, afirmou, em nota, Luis Fernando Peláez Gamboa, presidente da Adefa. “Esperamos que isso não aprofunde ainda mais a queda nas atividades”.

 

De janeiro a abril a produção argentina caiu 31,6%, para 107 mil unidades. Saíram das linhas de montagem 156,4 mil veículos, Em abril foram produzidos 30,3 mil unidades, um recuo de 33,9% com relação ao mesmo mês de 2018 e alta de 3,7% na comparação com março.

 

As exportações – que também foram sobretaxadas – caíram 11,4% no quadrimestre, para 68,5 mil unidades. O Brasil recebeu 46,2 mil veículos produzidos na Argentina no período, ou 67,5% do total dos embarques.

 

Em abril foram exportados 20,5 mil veículos, alta de 3,2% sobre o mesmo mês de 2018.

 

Estamos em maio e a Adefa ainda não divulgou suas projeções para o Ano. Peláez Gamboa explica: “Recordemos que a esta altura, em 2018, tudo parecia se encaminhar para volumes recordes. Precisamos esperar ainda os próximos meses para projetarmos algo”.

 

Foto: Divulgação.