Governos acenam participação na fusão FCA-Renault

Imagem ilustrativa da notícia: Governos acenam participação na fusão FCA-Renault
CompartilheInternacional
28/05/2019

São Paulo – Os governos da França e da Itália fizeram crescer seus olhos sobre o movimento de possível fusão da FCA, Fiat Chrysler Automobiles, com o Grupo Renault, oficializado na segunda-feira, 27. Enquanto os italianos consideram entrar com participação na futura empresa o governo francês, que detém 15% das ações da Renault, pede garantia de proteção aos empregos nas fábricas locais.

 

À rádio RTL o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, afirmou que a fusão é uma boa saída para a Renault e para a indústria automotiva europeia, mas o governo pedirá quatro garantias em troca do apoio ao acordo – que reduzirá sua participação acionária pela metade, uma vez que a ideia é que a divisão seja de 50%-50%.

 

“A primeira [garantia]: empregos e instalações industriais”, disse o ministro, segundo nota publicada pela Agência Reuters. “Eu disse ao presidente da Renault muito claramente que era a primeira das garantias que eu queria dele na abertura dessas negociações.”

 

As outras garantias não foram reveladas por Le Maire, que sinalizou a intenção do governo de manter alguma representatividade no conselho da nova empresa.

 

Na Itália a conversa é de investimento público na eventual FCA-Renault para contrabalançar a participação institucional francesa. Segundo a agência de notícias italiana Ansa o vice-premier e ministro do Interior, Matteo Salvini, afirmou que “se for pedida a presença institucional italiana seria obrigatório aceitar porque o setor automotivo é importante”.

 

Mais cedo o responsável econômico do partido Liga Norte, que hoje governa a Itália, havia considerado publicamente a ideia de colocar capital estatal na futura companhia.

 

Em paralelo seguem as tratativas da Renault com seus parceiros de Aliança, Nissan e Mitsubishi. De acordo com a Reuters o CEO da Nissan, Hiroto Saikawa, afirmou a emissoras de televisão locais que a companhia está aberta a “negociações construtivas”.

 

Foto: Divulgação.