Receita da Fras-le tem aumento de 20%

Imagem ilustrativa da notícia: Receita da Fras-le tem aumento de 20%
Foto Jornalista Roberto Hunoff

Por Roberto Hunoff

CompartilheBalanço
04/03/2020

Caxias do Sul, RS - A Fras-le, controlada da Empresas Randon, consolidou no ano passado receita líquida de R$ 1 bilhão 365 milhões, alta de 19,7% comparada ao resultado do exercício de 2018. Já o faturamento total superou R$ 2 bilhões, crescimento de 19,5%. Além do incremento nas vendas físicas o desempenho foi influenciado pela consolidação da receita da Fremax, adquirida em 2018 e que só havia contribuído com receitas no quarto trimestre.

 

Também houve o reflexo da variação cambial, com taxa média do dólar de R$ 3,94 e superior à de 2018. O volume de dólares exportados apresentou melhor desempenho com relação ao ano anterior, pois houve melhora significativa do desempenho das vendas no mercado externo no último trimestre.

 

A empresa fechou o balanço com queda de 63% no lucro líquido, para R$ 32,8 milhões, com margem final de 2,4%.

 

Dentre as razões estão a reestruturação das operações na Argentina em razão da crise e a não recorrência de ganhos pela aquisição da Jurid, em 2018. O lucro bruto somou R$ 349,7 milhões, crescimento de 15,2%, e o EBITDA foi consolidado em R$ 175,2 milhões, recuo de 4,7% sobre o ano anterior.

 

De acordo com Sergio Carvalho, CEO da empresa, o ano “foi desafiador”, principalmente no primeiro trimestre, quando houve perda de incentivos fiscais, como benefícios na folha de pagamento e Reintegra, aumento de custos e acirramento da concorrência no mercado doméstico. Ações como adoção de plano de contingenciamento de gastos, recomposição de preços ao longo do ano e sinergia dos investimentos feitos geraram condições para minimizar as dificuldades do início do ano:

 

“Encaramos dificuldades econômicas na Argentina, segundo maior mercado da América do Sul para a companhia; impactos devido à guerra comercial dos Estados Unidos com a China e ambiente global altamente competitivo”.

 

O mercado externo, incluindo exportações a partir do Brasil e a receita das operações em outros países, respondeu por 50,5% do total, somando R$ 690,2 milhões, com incremento de 16,5%. Já o doméstico avançou 23,1%, para R$ 675,3 milhões, com ganho de participação de quase 1,5 ponto porcentual sobre 2018. O principal segmento de atuação continua sendo a reposição, com 87% de participação, algo próximo a R$ 1,2 bilhão, e alta de 19,1%. No mercado de montadoras, o valor foi de R$ 171,8 milhões, com avanço de 23,4%.

 

Estimativa cautelosa para 2020 – Mesmo com as medidas adotadas em 2019, que já refletiram em melhores resultados, a diretoria entende que 2020 continuará a ser desafiador. Dentre os principais desafios é citada a pressão inflacionária e o ambiente interno tão ou mais competitivo do que o ano anterior, em especial nos veículos leves: “Este ambiente vai apresentar dificuldades para o repasse de preços”.

 

Na avalição de Carvalho o mercado dos Estados Unidos deve sofrer desaceleração, mas são boas as perspectivas na Índia para o segmento de montadoras. Para a América Latina o planejamento de vendas é conservador: “Não há elementos que nos permitam vislumbrar um viés de crescimento no médio prazo na maioria dos países”.

 

As perspectivas de receita para o ano são repetir os resultados de 2019, com faturamento bruto de R$ 2 bilhões e receita líquida de R$ 1,4 bilhão. São projetados US$ 150 milhões em exportações, valor 15% abaixo do realizado em 2019, de US$ 174,9 bilhões, e 30% com relação ao guidance, que era de US$ 215 milhões. Com elação às importações a projeção é de US$ 20 milhões, 20% inferior ao realizado em 2019, de US$ 24 milhões, e 25% acima do guidance anterior. Os investimentos programados para 2020, na ordem de R$ 60 milhões, são 28% inferiores aos consolidados no ano passado, R$ 83,2 milhões, e 21% abaixo do guidance anterior.

 

Os impactos do coronavírus ainda seguem incertos. Segundo Carvalho, por mais que pareça limitado para a companhia, o problema pode se configurar grave na medida em que as semanas passam. Avalia que reflexos podem surgir tanto na ponta de fontes de fornecimento como nas vendas, uma vez que empresa possui muitos negócios na Ásia.

 

O CEO lembrou que a operação da Fras-le na China, em função da doença, produziu apenas 70% do esperado neste início de ano. Acredita que a recuperação desta perda deverá se dar ao longo de março e abril. Com relação a possível desabastecimento das plantas do Brasil e de outros países, em função dos problemas nas fábricas chinesas, destaca que a empresa tem fontes alternativas homologadas para todos os insumos. Carvalho disse que a companhia reduziu e até mesmo eliminou viagens internacionais de seus funcionários, além de ter repatriado vários.

 

Foto: Jefferson Bernardes/Divulgação