Na China 90% do setor automotivo já retomou produção

Imagem ilustrativa da notícia: Na China 90% do setor automotivo já retomou produção
Foto Jornalista Marcos Rozen

Por Marcos Rozen

CompartilheCovid-19
26/03/2020

São Paulo – Na China aproximadamente 90% das operações do setor automotivo estão retomando suas atividades. A informação é de Luís Curi, ex-presidente da unidade brasileira da Chery e atual CEO da MBS Management Business Solution, empresa que coordena projetos de empresas chinesas que queiram se instalar no Brasil.

 

Ele esteve por dez anos na Chery e acumula quinze anos de convivência com empresas, empresários e executivos chineses. Atua, hoje, em dois projetos de empresas chinesas do setor automotivo que pretendem iniciar atividades no Brasil e, por isto, mantém contato diário com profissionais do segmento automotivo na China.

 

“Aparentemente a questão do coronavírus, lá e agora, está bem controlada, baseando-me nos relatos que recebo. A produção está sendo retomada gradativamente nas fábricas e a maior parte das concessionárias já voltou a operar. Até em Wuhan as medidas restritivas estão sendo flexibilizadas.”

 

Curi estima que os negócios na China serão retomados passo a passo: “Houve um impacto econômico, sem dúvida. O mercado chinês deverá fechar o ano em queda, mas a expectativa é a de que no segundo semestre a atividade retome seus níveis normais, pré-quarentena”.

 

Ele considera que as medidas tomadas pelo governo chinês para deter a pandemia foram necessárias: “Ainda que muito duras, foram um baixo preço a se pagar diante das circunstâncias. O povo chinês atendeu às recomendações, lá existe uma confiança de que as orientações indicadas pelo governo são as mais corretas e precisam ser atendidas”.

 

Falando sobre o mercado brasileiro o consultor acredita que 2020 será um ano “quase perdido”, com uma retomada mais lenta depois que a crise provocada pelo novo coronavírus passar, "e o câmbio também deverá demorar um pouco para retomar um patamar mais realista”.

 

Quanto aos projetos que coordena junto às empresas chinesas para o Brasil ele lamenta que, “no momento em que as coisas começaram a retomar lá, pararam aqui”. O tempo está sendo aproveitado para fazer o que é possível, como relatórios, análise de trâmites burocráticos e avaliação de cenários: “As tratativas já estavam bem adiantadas, mas agora teremos que esperar mais um pouco.”

 

Foto: Divulgação.