Queda nas vendas globais ficará na casa dos dois dígitos

Imagem ilustrativa da notícia: Queda nas vendas globais ficará na casa dos dois dígitos
Foto Jornalista Redação AutoData

Por Redação AutoData

CompartilheCovid-19
22/04/2020

São Paulo – Um relatório da equipe econômica da seguradora de crédito Euler Hermes aponta retração de 10% a 25% nas vendas globais automotivas, a depender da prolongação da crise. Duas razões principais sustentam a projeção dos seus analistas: o impacto forte da pandemia de covid-19 nos principais mercados – China, Estados Unidos e Europa, que respondem por cerca de dois terços das vendas globais – e a alta dependência produtiva da China, de onde saem componentes que integram a cadeia produtiva de diversos países.

 

A variável é ampla porque os analistas ainda não conseguiram estimar o tamanho das paradas nos mercados principais. Mas a Euler Hermes pondera que a venda de carros é um tipo de negócio no qual os consumidores adiam a compra mais facilmente, concentrando-se mais em produtos tidos como mais necessários.

 

O segundo ano de recuo quase certo – no ano passado as vendas cederam 4% – acende o sinal amarelo na indústria, que demanda capital para investimentos maciços em veículos elétricos, carros conectados e serviços de mobilidade. E a Euler Hermes alerta: em fevereiro as vendas na China caíram mais de 80%, após queda de dois dígitos em janeiro. “O mercado automotivo deverá enfrentar uma grande queda em 2020 pois está altamente exposto à China, o maior mercado automotivo do mundo e centro de produção de automóveis”.

 

E continua: “O lado da oferta também é atingido com força porque Wuhan, o epicentro do surto da covid-19, não só representa 10% dos veículos fabricados no país como também reúne centenas de fornecedores de peças de carros, que atendem a operadores locais e exportam para o resto do mundo. De fato estes últimos representam a maioria das exportações chinesas para a indústria automotiva. O fechamento prolongado de fábricas está aumentando o risco de escassez e interrupções na cadeia de suprimentos em nível global”.

 

E o Brasil? O relatório da seguradora não fala especificamente do Brasil ou da América Latina – estes mercados compõem o um terço restante do volume global. Mas na sexta-feira, 17, uma consultoria local, a Bright Consulting, forneceu análise mais fresca a respeito do mercado local.

 

A expectativa é a de queda de 37% nas vendas do segundo trimestre com relação aos primeiros três meses do ano, somando 341,2 mil unidades. A Bright espera retomada da produção a partir do começo de maio, ainda que de forma gradativa – os estoques nos pátios e redes, da ordem de 266 mil veículos, conseguem atender ao mercado nos próximos dois meses.

 

De toda forma a consultoria estima que os volumes do ano passado só retornarão em 2022. Para este ano a Bright projeta vendas de 2,3 milhões de automóveis e comerciais leves, queda de 14% com relação ao ano passado. A produção estimada, de 2 milhões 431 mil veículos leves, representa queda de 16,5% com relação ao ano passado.

 

Foto: Divulgação.