Brasil e Argentina dão passo para unificar regras

Imagem ilustrativa da notícia: Brasil e Argentina dão passo para unificar regras
CompartilheConjuntura
24/08/2018

São Paulo – Brasil e Argentina assinaram um memorando de entendimento que prevê a unificação das especificações técnicas na produção automotiva dos dois países. O documento foi assinado no Palácio do Itamaraty, em Brasília, DF, pelo chanceler brasileiro e os ministros do MDIC, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil, Marcos Jorge, e da Produção da Argentina, Dante Sica.

 

A segurança veicular foi o primeiro item escolhido pelos dois países para o trabalho conjunto. Um grupo de trabalho formado por técnicos dos dois países procurarão estabelecer as bases da unificação das especificações técnicas deste quesito – depois, outras equipes seguirão trabalhando para padronizar as emissões sonoras e de gases poluentes, eficiência energética e autopeças.

 

Um outro grupo de trabalho ficará responsável pelos regulamentos técnicos automotivos, com o objetivo de acompanhar a homologação dos veículos de diversas categorias para identificar divergências e correspondências das regulamentações dos dois mercados. O governo estima que todo o processo dure em torno de dois anos.

 

A unificação das normas é um desejo antigo das montadoras, que, assim, podem produzir o veículo único do Mercosul, capaz de ser vendido em qualquer mercado da região. Com isso os custos gerados pelas flutuações dos mercados podem ser reduzidos, uma vez que não haverá mais o carro brasileiro e o argentino – quando um mercado sofrer um baque, o modelo pode ser destinado para outro sem grandes problemas.

 

Segundo o titular do MDIC o ambiente de negócios dos dois países deve melhorar com a padronização técnica do setor. "[O memorando] vai possibilitar que nossas equipes já comecem os trabalhos para convergência regulatória, ou seja, que tenhamos regulamentos similares para o automotivo".

 

O mercado argentino é, segundo o ministro, destino de boa parte da produção nacional de automóveis, que representa 4% de todo o Produto Interno Bruto brasileiro.

 

Com informações da Agência Brasil