Comércio e serviços puxarão segmento leve

Imagem ilustrativa da notícia: Comércio e serviços puxarão segmento leve
CompartilheImplementos Rodoviários
24/01/2019

São Paulo – O setor de implementos rodoviários projeta um crescimento ainda mais forte este ano, após crescer 28% no ano passado – com uma base baixa de comparação, é verdade – para 45 mil 522 unidades.

 

A própria indústria de caminhões espera aceleração nos segmentos leve e médio, após o crescimento em 2018 ser sustentado pelo mercado de pesados. Segundo o vice-presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, a recuperação da economia, em especial os setores de comércio e serviço, ajudará a retomar um volume maior de negócios nos segmentos mais leves.

 

Para a economista Isabela Tavares, da Tendências Consultoria, a população consumirá mais em 2019: “A recuperação do emprego formal também é esperada para o ano e ajudará a aumentar a confiança do consumidor e o consumo das famílias, principalmente na área de bens duráveis. Com isso, a expectativa é que o segmento leve de implementos continue crescendo, depois da importante recuperação no ano passado”.

 

Diante desse cenário, as empresas de implementos rodoviários também projetam crescimento parecido para o segmento. Osmar de Oliveira, sócio-diretor da 4Truck, acredita em expansão de 25% a 35% para a linha leve. José Carlos Spricigo, CEO da Librelato, projeta alta de 30%, com as vendas chegando a 58 mil unidades, enquanto Luiz Carlos Cunha Junior, diretor comercial da Truckvan, espera um mercado de até 60 mil unidades na linha leve, por causa da retomada da indústria automotiva e pela demanda represada que ainda existe no mercado.

 

O diretor da Truckvan acredita que a demanda será mais forte em segmentos como bens duráveis, bebidas, alimentos, produtos industrializados e construção civil, com o último crescendo em um ritmo menor que os demais. Cunha Júnior diz esperar vender em torno de 900 unidades este ano, um crescimento de 50% com relação ao ano passado – graças à demanda maior do mercado e a capacidade de produção da empresa, que este ano será maior.

 

Oliveira, da 4Truck, vê possibilidade de expansão de áreas como e-commerce e produtos farmacêuticos. Ele calcula alta de 20% nas vendas da empresa, chegando a 750 unidades. Para suportar a maior demanda no ano, a empresa investirá em torno de R$ 2 milhões para expandir a capacidade produtiva, automatizar a linha de produção e reforçar o fluxo de caixa para suportar o crescimento da operação.

 

O CEO da Librelato espera que o segmento de infraestrutura, construção civil e bebidas aqueçam as vendas. A empresa trabalha com cenário de vendas semelhante ao do ano passado, pois, segundo Spricigo, seu foco está no segmento pesado.

 

Foto: Divulgação.