Volvo CE: mercado de 16 mil unidades em 2021.

Imagem ilustrativa da notícia: Volvo CE: mercado de 16 mil unidades em 2021.
CompartilheMáquinas e Equipamentos
26/02/2019

Pederneiras, SP – A Volvo CE anunciou na terça-feira, 26, o crescimento de suas vendas de equipamentos de linha amarela no mercado brasileiro em 2018, um volume 67% maior do que o registrado no ano anterior. A empresa creditou o desempenho comercial positivo ao movimento de recuperação da economia – sob sua ótica, o Brasil estaria demandando novamente veículos utilizados em obras e mineração, um movimento que havia enfraquecido junto com o PAC, o Plano de Aceleração do Crescimento.

 

Se em 2018, período marcado por incertezas econômicas e eleitorais, houve mais vendas, este ano a expectativa da companhia é a de que haja manutenção do ritmo de crescimento sobretudo se as reformas tributária e trabalhista se tornarem reais. A empresa acredita que as vendas na América Latina, este ano, cresçam 5%, com o mercado brasileiro desempenhando força motriz no processo. Segundo o presidente Luiz Marcelo Daniel o agronegócio também terá parte nesse crescimento esperado para a região.

 

O executivo afirmou, ainda, que o mercado brasileiro foi de 7 mil unidades no ano passado, um volume que marcou o fim de um processo de queda que se acentuou depois de 2016. Com os ventos soprando a favor do setor o mercado interno deverá chegar a 16 mil unidades até 2021. “O que seria um volume expressivo para a indústria e, principamente, um número fiel à demanda real do País, algo que não vimos no passado”.

 

Daniel se referia ao período 2007-2014, quando o mercado brasileiro vendeu 25 mil unidades/ano. A farta oferta de crédito subsidiado e as obras de infraestrutura do PAC criaram uma espécie de bolha que derrubou os indicadores das fabricantes instaladas aqui nos anos seguintes: “Só para o governo foram vendidas 11 mil unidades. Jamais voltaremos ao patamar daquele tempo”.

 

A Volvo CE mantém produção em Pederneiras, SP, em fábrica que está há 32 anos sob o seu controle. Considerando a operação da Clark, que era mantida no local antes de a Volvo CE chegar, o tempo de funcionamento das instalações sobe para 44 anos. Com a expectativa de aumento da demanda interna nos próximos anos a companhia espera ocupar a capacidade ociosa da unidade. A empresa evitou o pormenor a respeito da capacidade atual de produção, mas afirmou que há horas/máquina disponíveis e que trabalha abaixo da capacidade.

 

Hoje em Perderneiras se produz mais para o mercado externo do que para o interno. Os modelos de caminhão articulado as carregadeiras são os veículos com maior volume de produção e parecem, após visita interna feita pela Agência AutoData, ocupar a maior parte dos 324 trabalhadores do quadro da Volvo CE em células de usinagem e soldagem. Estes veículos também têm entrada importante nos mercados dos Estados Unidos e Europa.

 

Afora estes dois modelos são produzidas em Pederrneiras escavadeiras e compactadores de solo. As escavadeiras, de acordo com Gilson Capato, diretor comercial, podem ter um aumento de demanda pontual este ano em função das barragens da Vale que precisam de tratamento de rejeitos de mineração adequado. Os compactadores de solo, por sua vez, tiveram as vendas retraídas por causa da situação do mercado argentino – antes da crise, programas de construção de rodovias naquele país demandavam os veículos produzidos no Brasil.

 

A companhia também produz na unidade escavadeiras de outra marca do Grupo Volvo, a SDLG. Considerando suas vendas o crescimento do volume comercializado pela Volvo no ano passado foi de 47,7%.

 

Foto: Divulgação.