Avanço de elétricos na Europa pode ajudar a indústria nacional

Imagem ilustrativa da notícia: Avanço de elétricos na Europa pode ajudar a indústria nacional
Foto Jornalista  Caio Bednarski

Por Caio Bednarski

CompartilheSeminário AutoData
25/11/2019

São Paulo – O avanço da eletrificação na Europa poderá trazer bons negócios para a indústria nacional. Sergio Habib, presidente do Grupo SHC – representante da Jac Motors do Brasil – disse durante sua palestra no Seminário Brasil Elétrico, organizado pela AutoData Editora na segunda-feira, 25, no Milenium Centro de Convenções, que o foco em produção de veículos elétricos pelos europeus abre a oportunidade para que a fabricação de alguns componentes seja transferida para cá.

 

“Algum país terá que assumir a produção de peças e componentes para veículos a combustão para abastecer o mercado europeu, que ainda terá uma demanda por esses itens, embora sem os grandes volumes atuais. Diante deste cenário, o Brasil, ainda focado na produção de térmicos, poderá ser um polo de exportação de componentes para veículos com motor a combustão no médio prazo”.

 

Para Habib levará mais algum tempo para que os carros elétricos representem grandes volumes no mercado, garantindo uma sobrevida à fabricação dos motores a combustão e seus componentes.  “Países grandes produtores de petróleo como o Brasil não precisam se preocupar com o falta de combustível para abastecer veículos. Nessas regiões o avanço dos carros elétricos levará mais tempo, mas também acontecerá no longo prazo, por causa de todas as questões ambientais”.

 

Para exemplificar esse raciocínio Habib citou a China, que hoje depende do petróleo importado de outros países para mover seus veículos – o que é considerado um risco pelas autoridades e empresas locais, que decidiram focar seus esforços no desenvolvimento de baterias e veículos elétricos. A decisão trouxe resultados positivos: de acordo com o executivo, o país já está na vanguarda da tecnologia para veículos elétricos e produz duas vezes mais baterias que todo o resto do mundo.

 

Foto: Rafael Cusato.