Cadeia fornecedora está pronta para a virada

Imagem ilustrativa da notícia: Cadeia fornecedora está pronta para a virada
Foto Jornalista  Caio Bednarski

Por Caio Bednarski

CompartilheSeminário AutoData
25/11/2019

São Paulo – Peças e componentes para veículos elétricos são realidade para os fornecedores do setor automotivo aqui instalados – herança de suas matrizes, que já fornecem os produtos aos modelos produzidos em outras regiões. Todos que participaram do Seminário Brasil Elétrico, realizado pela AutoData Editora na segunda-feira, 25, em São Paulo, SP, garantiram estarem prontos para essa transição do mercado brasileiro.

 

Claudio Castro, diretor de pesquisa e desenvolvimento da Schaeffler, afirmou que a empresa quer acompanhar todas as mudanças do setor, mas não acredita em um futuro com apenas um tipo de motorização, e sim com a convivência:

 

“Para desenvolver o conhecimento necessário para atender este segmento compramos algumas empresas que tinham o know-how que era interessante para nós. Assim trouxemos o conhecimento para dentro da empresa”.

 

Castro também ressaltou a necessidade de adaptar alguns componentes para o futuro, como o eixo dianteiro e traseiro, que no caso dos veículos elétricos é diferente e trabalha com o motor acoplado.

 

Segundo Besaliel Botelho, presidente da Bosch, há inúmeros componentes já desenvolvidos. “Fornecemos peças e componentes para elétricos de diversas empresas do setor, estamos presentes em todos os veículos fabricados atualmente, seja na China, Europa ou Estados Unidos”.

 

O presidente da ZF, Carlos Delich ressalta que os híbridos terão espaço por muito tempo, principalmente no Brasil, onde há uma matriz energética limpa para esse tipo de motorização: “Globalmente já desenvolvemos a tecnologia para produzir motores elétricos e fornecemos para algumas empresas. Acredito que, no futuro, essas empresas também terão interesse em produzir seus próprios propulsores, então estamos avançando também em outros segmentos, como a produção de transmissões híbridas”.

 

Para Raul Germany, presidente da Dana, a hora é a de desenvolver novas tecnologias para atender o segmento, como softwares. Ele acredita que determinados componentes atualmente produzidos sairão do mercado: “Algumas peças serão usadas pelos elétricos e precisarão de algumas adaptações. Estamos focando nisso também”.

 

Projeto 2025 – Fornecendo para todos os veículos elétricos do mercado, a Bosch já projeta um faturamento global de cinco bilhões de euro em 2025 só nesse segmento. Segundo Botelho o crescimento será puxado pelos mercados mais engajados no avanço das motorizações limpas, como China, Europa e Estados Unidos.

 

Foto: Rafael Cusato.