Locadoras tornam-se boas clientes, também, de caminhões

Imagem ilustrativa da notícia: Locadoras tornam-se boas clientes, também, de caminhões
Foto Jornalista  Caio Bednarski

Por Caio Bednarski

CompartilheMercado
13/03/2020

São Paulo – Importantes clientes do segmento leve, as locadoras de veículos começam a expandir sua atuação em caminhões. As fabricantes começam a notar aumento na demanda por clientes tradicionais do ramo e, também, de novos competidores. Dos 4,5 mil caminhões Mercedes-Benz vendidos no primeiro bimestre ao menos 650 foram para locadoras. Na Volkswagen Caminhões e Ônibus o volume chega a 15% do total das vendas.

 

A locação de caminhões não é uma novidade no mercado, mas desde o ano passado vem ganhando força e atraindo novas empresas. Segundo Roberto Leoncini, vice-presidente de vendas e marketing de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz, as 650 unidades representam o dobro do volume negociado às locadoras em 2019. “Percebemos que essas empresas testaram o modelo de negócio nos últimos dois anos e agora estão dispostas a fazer investimentos maiores”.

 

Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing e pós vendas da VWCO, disse que fatores como não ser necessário imobilizar recursos comprando caminhões, tendo no aluguel um custo mensal sem a preocupação de gastar com a manutenção dos veículos, tornam a locação atrativa para alguns frotistas.

 

“O acesso ao crédito também tem motivado algumas empresas a alugarem caminhões. Não é preciso gastar a linha de crédito nos bancos para comprar os veículos: elas alugam, usam e quando não tiverem demanda devolvem o caminhão, podendo investir em áreas mais importantes para seus negócios”.

 

Tanto Alouche quanto Leoncini afirmaram que transportadoras e concessionárias começaram a iniciar serviços de aluguel de veículos. As transportadoras deslocam parte da frota para atender a locação – há empresas com cerca de 12 mil veículos na frota disponíveis para locação, com perspectiva de expansão ao longo do ano. No caso das concessionárias, há grupos comprando caminhões para “experimentar o negócio”.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Locadoras tornam-se boas clientes, também, de caminhões

 

Os executivos acreditam que o segmento chegou para ficar e tem perspectiva de crescimento nos próximos anos, embora não tão rápido quanto o avanço no segmento de automóveis e comerciais leves, que chega a representar um terço dos licenciamentos dependendo do mês.

 

"A locação não vai dominar o mercado. Acredito que avançará até um certo limite e depois fará parte do mercado de caminhões com determinada participação. Tudo depende de como os serviços serão oferecidos nos próximos anos", disse Alouche.

 

Leoncini disse que a Mercedes-Benz mantém conversas com a sua rede para deixar claro que não existe risco para os negócios dos concessionários: "Eles ficam com receio porque viram o avanço que teve no mercado de automóveis, mas deixamos bem claro que não existe esse risco. As locadoras vão avançar, mas não terão fôlego para consumir 30% do mercado de caminhões por ano. Também fazemos questão negociar com as locadoras sempre com um concessionário envolvido, nunca de forma direta, e o volume que eles comprarão no ano não chegará a 10% do nosso volume total".

 

O crescimento do segmento de locação de caminhões também reflete em algumas empresas de implementos rodoviários, caso da 4Truck, que atualmente atende grandes empresas como a Ouro Verde, Maestro Frotas, Grupo Júlio Simões e Grupo Unidas. Osmar Oliveira, CEO da 4Truck, disse que em janeiro o volume comercializado para locadoras representou 50% total: "É difícil projetar quanto aumentará até dezembro na comparação com 2019, mas elas estão avançando. Em 2018 quase não vendemos para locadoras, mas no ano passado já representaram 15% do total".

 

Atualmente as locadoras e demais empresas que atuam no segmento oferecem serviços diversos, como a locação do caminhão, veículo e motorista e opções completas que incluem toda a manutenção dos veículos e disponibilidade 24 horas para eventuais necessidades. Os executivos citaram algumas áreas que possuem grande procura por locadoras: cana-de-açúcar, mineração, serviços de distribuição nas cidades, como bebidas, remédios, produtos vendidos pela internet e coleta de lixo.

 

Fotos: Divulgação.