Schaeffler e ABT fecham parceria para comerciais leves

Imagem ilustrativa da notícia: Schaeffler e ABT fecham parceria para comerciais leves
CompartilheTecnologia
13/12/2019

São Paulo – O Grupo Schaeffler fechou acordo com a ABT e-Line para colaboração estratégica no sentido de desenvolver soluções para veículos comerciais leves de até 3,5 toneladas, de início para o Grupo Volkswagen – que contratou a ABT para eletrificar seus modelos, como o T6 e o Caddy, na Europa.

 

Trata-se de um novo negócio para a empresa desenvolvedora de sistemas, que, na área de eletrificação atua apenas em automóveis de passeio.

 

“É uma grande oportunidade para a Schaeffler”, disse seu diretor executivo de pesquisa e desenvolvimento na América do Sul, Cláudio Castro. “Comercial leve nunca foi o foco principal do negócio, então abre uma nova frente.”

 

A Schaeffler será responsável por toda a parte mecânica do powertrain eletrificado destes modelos, desde o motor elétrico até o gerador de energia elétrica e os freios regenerativos, que ajudam a dar carga à bateria. A escolha da ABT não foi à toa: as empresas são parceiras na Fórmula E, a competição de automobilismo de veículos elétricos.

 

Imagem ilustrativa da notícia: Schaeffler e ABT fecham parceria para comerciais leves

 

Segundo Castro o fornecimento será em pequena escala, uma nova realidade neste segmento após a eletrificação. Os clientes, mais do que nunca, farão encomendas customizadas, de acordo com a sua realidade: baterias com autonomia de determinada quilometragem, motores que alcancem até certa velocidade: “Tem que atender à aplicação do cliente, será cada vez mais customizado. Chegou ao fim aquela época de grandes volumes”.

 

Indiretamente a engenharia brasileira dará suporte ao desenvolvimento, uma vez que parte dos 1,2 mil engenheiros do grupo dedicados à eletrificação está em Sorocaba, SP, desenvolvendo sistemas do motor elétrico. Para Castro os comerciais leves elétricos chegarão ao Brasil dentro de alguns anos:

 

“Por aqui a eletrificação de comerciais começou em ônibus e veículos médios, ao contrário da Europa, que deu a partida nos comerciais leves. Mas é inevitável que estas soluções desembarquem neste segmento do mercado local”.

 

Fotos: Divulgação.