Brasil quer estreitar comércio exterior

Imagem ilustrativa da notícia: Brasil quer estreitar comércio exterior
CompartilheComércio Exterior
14/12/2017

O Brasil aproveitou mais uma conferência ministerial da Organização Mundial do Comércio para estreitar sua relação de comércio com Austrália, Equador, Espanha, Índia, México e Reino Unido, com reuniões organizadas pelo ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, em Buenos Aires, Argentina, na quarta-feira, 13.

 

Novos acordos comerciais podem contribuir para as exportações de veículos. É o caso, por exemplo, da Austrália, que não tem, mais, produção local. Durante as conversas com o ministro de Comércio e Investimento da Australia, que também foi acompanhada pelo ministro de Relações Exteriores, buscou-se fortalecer o diálogo para ampliar trocas comerciais e facilitar aportes.

 

A reportagem de AutoData inquiriu o MDIC sobre a possibilidade de vendas de veículos à Austrália, mas o ministério não confirmou a informação até a publicação desta reportagem. Já o ministro australiano disse que “entendemos que há muitas oportunidades no Mercosul”, demonstrando que existe um interesse em avançar com as negociações, segundo o MDIC.

 

Com o Reino Unido as conversas foram feitas com o ministro do Comércio, que concordou sobre a necessidade de direcionar esforços para facilitar a ampliação das trocas comerciais. A conversa com a secretária de Comércio da Espanha, foi em torno do acordo do Mercosul com a União Europeia, com o ministro brasileiro destacando que muitos esforços estão sendo feitos para melhorar a oferta à UE, deixando claro que agora depende dos europeus para que o acordo seja assinado em 2018.

 

Com o representante do Equador o ministro brasileiro coordenou discussões referentes aos entraves ao comércio bilateral, questionando o posição a respeito de medidas aplicadas contra as exportações de mais de cem produtos nacionais. O ministro equatoriano, do Comércio Exterior, ponderou sobre a importação de alguns produtos de seu país, como camarão e bananas. Ambos os lados se comprometeram a avaliar internamente as questões discutidas.

 

Foto: MDIC.