Indústria sem clima de Copa do Mundo

Imagem ilustrativa da notícia: Indústria sem clima de Copa do Mundo
CompartilheMontadora
11/06/2018

São Paulo – O clima de Copa do Mundo não contagiou os trabalhadores do setor automotivo brasileiro. A poucos dias da cerimônia de abertura – na quinta-feira, 14 – e da estreia da seleção brasileira na competição da Rússia – no domingo, 17 –, grupos de metalúrgicos votaram, em assembleia, sequer parar as linhas de produção para acompanhar o escrete canarinho em campo, tradição histórica naquele que é considerado pelo próprio povo o país do futebol.

 

Na primeira fase da competição dois jogos do Brasil estão marcados em dias úteis: na sexta-feira, 22, 9h00, contra a Costa Rica, e na quarta-feira, 27, às 15h00, contra a Sérvia. Na Toyota cerca de 90% dos trabalhadores não aceitaram a proposta da empresa e trabalharão normalmente enquanto a seleção estiver em campo.

 

“Nós teríamos que compensar cada hora perdida de produção, o que não foi muito animador”, disse Cláudio Pereira da Silva, representante da empresa na diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região, pela unidade de Indaiatuba. “O fracasso do Brasil na Copa de 2014 também influenciou para que eles não estivessem muito animados agora”.

 

As unidades da General Motors em São Caetano do Sul, SP, e Gravataí, RS, também permanecerão operando durante os jogos do Brasil. Ambos os sindicatos alegaram que a proposta feita pela companhia não agradou aos funcionários, que resolveram trabalhar normalmente para não precisar compensar, depois, as horas que seriam perdidas para acompanhar as partidas.

 

O mesmo ocorrerá nas fábricas da Mercedes-Benz e Volkswagen em São Bernardo do Campo, SP. Nas vizinhas Ford e Scania, no entanto, os trabalhadores poderão usar os bancos de horas para acompanhar as partidas da seleção brasileira. Nota do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, informou que “durante os jogos matutinos não haverá produção e naqueles que ocorrerem à tarde a produção ficará parada a partir do horário do almoço”.

 

A Nissan, em Resende, RJ, providenciou telão para que os trabalhadores acompanhem a partida das 9h00 – eles voltarão à linha de produção após o jogo. Para o jogo da tarde a empresa optou por conceder folga e o dia será compensado posteriormente.  A Volvo, em Curitiba, PR, tomou providência semelhante: montou uma estrutura para os trabalhadores acompanharem as duas partidas e, assim que Neymar e companhia deixarem o campo, o trabalho será retomado.

 

Foto: Lucas Figueiredo/CBF.