Scania inaugura linha dedicada às exportações

Imagem ilustrativa da notícia: Scania inaugura linha dedicada às exportações
CompartilheSeminário AutoData
25/06/2018

São Paulo – A Scania inaugurou na segunda-feira, 25, uma linha dedicada à exportação na sua fábrica de São Bernardo do Campo, SP. Resultado de investimentos de R$ 15 milhões, parte de pacote de R$ 2,6 bilhões até 2020 anunciado no ano passado, a nova área produzirá kits desmontados, como SKD e CKD, para serem enviados a outros mercados.

 

De acordo com Christopher Podgorski, presidente e CEO da Scania Latin America, durante o Seminário AutoData Revisão das Perspectivas 2018, realizado na segunda-feira, 25, no World Trade Center, em São Paulo, a nova área "é como uma linha de produção completa de veículos, sequenciada e com fluxo contínuo, mas que produz, em vez de caminhões e ônibus prontos, os kits para exportação".

 

Segundo ele há diferentes índices de produção dentro dos kits: para a Tailândia, por exemplo, 60% dos veículos são montados no ABC e o restante dentro da unidade local da Scania. Assim atende-se às mais variadas barreiras e exigências mínimas de nacionalização dos diversos mercados ao redor do mundo.

 

“A linha KD [como é chamada internamente] demandará por competitividade e redução de custos. Ela competirá diretamente com linha similar na fábrica de Eindhoven, na Holanda.”

 

Podgorski disse que a produção brasileira é muito procurada por mercados que demandam customização, uma vez que há maior flexibilidade na linha. Mas nada impede que a unidade de São Bernardo forneça à Europa: “No ano passado produzimos em torno de vinte cabinas por dia para serem montadas em fábricas europeias. Foi a primeira vez [na Scania] que uma cabina brasileira se juntou a um chassi europeu”.

 

Mesmo com a retomada do mercado brasileiro as exportações seguem com maior relevância na produção da Scania por aqui. Segundo Podgorski este ano 68% da produção, que alcançará 28,9 mil unidades, serão enviados para outros mercados: “Nossa produção crescerá 40% com relação a 2017”.

 

Foto: Christian Castanho.