Exportações fecham o ano abaixo da estimativa

Imagem ilustrativa da notícia: Exportações fecham o ano abaixo da estimativa
CompartilheBalanço da Anfavea
06/12/2018

São Paulo – O mau momento do mercado argentino de veículos atingiu em cheio o ritmo das exportações brasileiras. O resultado das vendas externas ficará abaixo da última projeção da Anfavea, divulgada em outubro– que já havia sido revista para baixo em outra ocasião –, sem repetir o recorde registrado no ano passado.

 

Em entrevista coletiva à imprensa realizada na quinta-feira, 6, o presidente Antonio Megale reconheceu que a entidade errou: “As encomendas do nosso principal parceiro comercial, a Argentina, foram reduzidas de forma dramática nos últimos meses. Quase toda a queda decorre do desempenho do mercado vizinho, responsável por 70% das nossas vendas externas”.

 

Em novembro o volume de embarques ficou 53% abaixo do registrado em igual mês do ano passado: foram enviados a outros mercados 34,4 mil veículos, ante 73 mil um ano antes – com relação a outubro e suas 38,7 mil unidades, queda de 11,3%. No acumulado do ano as exportações somaram 597,4 mil unidades, recuo de 15,3% na comparação com igual período de 2017.

 

“Nossa última projeção era de 700 mil veículos exportados. Mas deveremos fechar o ano com pouco mais de 600 mil veículos, talvez algo próximo de 650 mil unidades”.

 

Megale disse não esperar retomada do mercado argentino antes do fim do primeiro semestre de 2019. Enquanto isso a indústria busca novos mercados para ampliar sua presença, além dos tradicionais da América do Sul: “Recentemente enviamos um volume próximo de 5 mil caminhões para o mercado russo. Estamos com esforços para conquistar contratos na América Latina, África e na região do Oriente Médio”.

 

Em valor o saldo das exportações também segue negativo no acumulado até novembro: queda de 5,2%, para US$ 13,8 bilhões. Para Megale é um valor expressivo, apesar da queda com relação a 2017.

 

Em novembro a indústria faturou US$ 957,1 milhões com exportações, recuo de 32,8% diante de novembro do ano passado e 1,4% abaixo do resultado de outubro.

 

Foto: Ivan Bueno/APPA.